06 março 2017

[Resenha] Simplesmente o Paraíso - Quarteto Smythe-Smith # 1

Simplesmente o Paraíso
Quarteto Smythe-Smith # 1

Resenha Os Bridgertons : 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9

Honoria Smythe-Smith é parte do famoso quarteto musical Smythe-Smith, embora não se engane e saiba que o dito quarteto carece sequer do menor sentido musical e tem esperanças postas que esta seja a última vez que se submeta a semelhante humilhação. Esta será sua temporada e com um pouco de sorte conseguirá um marido.
Durante um jantar, põe seus olhos em Gregory Bridgerton, um dos mais jovens da família Bridgerton. Sabe que não está apaixonada, mas ele parece uma opção mais que válida.
Marcus Holroyd é o melhor amigo do irmão de Honoria, Daniel, que vive exilado na Italia. Ele prometeu olhar por ela e leva suas responsabilidades muito seriamente. Odeia Londres e durante toda a temporada, permaneceu vigilante e intermediou quando acreditava que o pretendente não era o adequado.
Honoria e Marcus compartilham uma amizade, pouco atípica, fruto dos anos que se conhecem e que o torna parte da família.
Entretanto, um desafortunado acidente faz que ambos repensem sua relação e encontrem a maneira de confrontar o que surge entre eles, se tiverem coragem suficiente.


Para quem ainda não leu os Bridgerton e não foi apresentado ao Quarteto Smythe-Smith, ele é composto por um grupo de jovens solteiras da mesma família que não têm um mínimo de talento para a música, mas são praticamente forçadas a seguir uma tradição que as obriga ferir os tímpanos da sociedade anualmente em um recital, até finalmente se casarem.

Como membro do Quarteto, Honoria Smythe-Smith não vê a hora de logo arrumar um marido para se livrar desse constrangimento anual. Mas, estranhamente, todos os seus pretendentes acabam por desistir misteriosamente de seu interesse por ela, e quanto mais o dia do bendito recital se aproxima, mais determinada ela se vê em conseguir um marido, até mesmo selecionar alguns pré-candidatos e, talvez, recorrer a certos truques femininos para chamar-lhes a atenção. Logicamente, ela não esperava que justamente Marcus Holroyd, amigo de infância de seu irmão, fosse acidentalmente estragar seus planos.

Marcus Holroyd odeia as temporadas sociais. Elas geralmente significam receber os olhares cobiçosos de matronas que adorariam ter um Conde em sua família, através do casamento de suas filhas. Mas a promessa que fizera a seu amigo Daniel, antes de este fugir para salvar sua vida ( mais detalhes sobre isso no livro 2), o força a comparecer a determinados meios. Ele prometera ao seu amigo ficar de olho em sua irmã, e isso implicava em não deixá-la contrair matrimônio com qualquer um; ao menor sinal de interesse de algum cavalheiro, ele imediatamente os afastava, sem se dar conta que, na verdade, ele estava definido o próprio futuro com esses atos.

Só que Marcus e Honoria nunca tinham enxergado um ao outro de forma diferente. Ele a via como a garotinha, irmã do seu melhor amigo, que insistia em deixá-la participar de suas aventuras juvenis. E para ela, Marcus era... Marcus. Alguém que conhece desde sempre, que estava sempre ali quando precisasse. Porém, um fato, um momento, tem a capacidade de fazer tudo mudar entre os dois: Marcus, por um descuido, uma falta de cuidados, vê-se gravemente doente, e a iminência de perdê-lo faz com que Honoria passe a contemplar seus verdadeiros sentimentos em relação a ele.
"...Nunca tive certeza se você era o herói ou o vilã.
...Talvez você seja meu porto seguro." 
Entre os dois parece ocorrer um despertar. Despertar de desejo, de anseio de se amar. Algo simples, que logo se converte na necessidade de um do outro. Aquela a quem tanto Marcus protegeu contra pretendentes mal-intencionados, ele queria para si. E Honoria o desejava com a mesma força. Diante da possibilidade de se livrar da sua vida reclusa e solitária, Marcos vai confrontar seus verdadeiros sentimentos. E Honoria está a apenas um passo de se jogar no simples paraíso de sensações que ele lhe provoca; a mais forte, um amor que parece ter sido guardado por muito tempo.



Como começar a resenha desse livro ?
Eu gostaria de dizer que amei, mas não foi isso que aconteceu. 

Comparado com o outra série da Julia, publicado aqui no Brasil, eu achei que esse deixou a desejar. 
Para mim, faltou muitas coisas que quando penso na autora, sei que estará em um livro seu. E justamente essas características foi a que eu senti mais falta aqui.

Veja bem, eu adoro a Julia, e  entendo que só porque uma série ou livro do autor não agradou, que o autor não é bom. Criticar um livro envolve muita mais coisas do que um simples gostei, como o clima que você está ao ler o livro, entre outras coisas.

Desse livro em particular, achei que faltou de tudo um pouco. Faltou aquele toque de ironia, de respostas inteligentes dos personagens. Aquela situação gostosa onde o casal se vê em uma conversa que acarreta uma saída magistral da mocinha, através de uma resposta sagaz. Acima de tudo faltou atrevimento, um drama. 

A história para mim ocorreu muito rápido, apesar de eles se conhecerem desde crianças e não precisar de uma densa parte de encontros e ambientalização, faltou uma ligação entre os dois. Eu entendo a proposta, de que se está apaixonado por uma pessoa e não se sabe e de repente a ficha cai. Mas para mim, só não foi convincente. Posso dizer que não consegui sentir a conexão entre os personagens e assim vê-los como um casal verídico.

A parte onde ele fica doente ocorre em boa parte do livro, e isso se arrasta. Você quer ver cenas novas, situações diferentes entre o casal. Então, enfim, quando trocamos de ambiente, tudo ocorre rápido demais. Eu não consegui encontrar um equilíbrio entre tudo isso. Além de que, eu esperava muito mais personalidade da Honoria, já que quando criança ela apresentava esse quê de audácia. Acho que esse foi todo o meu desgosto com esse livro. 

Apesar das ressalvas, a  leitura é fluida e em um instante você se vê no final do livro e ansiando pela história do irmão de Honoria, Daniel.

Um romance simples e leve, que às vezes é exatamente o que você precisa no momento.

Compartilhe!

11 comentários :

  1. Cara, eu nem mesmo li um livro se quer da Julia e já sou totalmente apaixonada por ela. To com pena de ela estar no Brasil e não morar em uma das cidades que ela está passando :( Eu tenho que colocar na lista pro próximo mês sem falta ler! Como não leio muitos romances históricos, acho que "começar" por um dela ajudará muito. Pela sua resenha eu pareço ter gostado um pouco mais do que você, espero continuar pensando isso depois de ler!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Juliana.
      Talvez por você não ter lido a outra série, você goste mais do que eu. Mas leia Os Bridgertons também!

      Excluir
  2. Ainda não li nenhum livro da autora e tenho muita vontade de ler, por ela ser bem comentada. Mas pelos comentários que ando lendo esse livro não é um dos melhores dela, achei que seria bem divertido o fato da ´personagem querer um marido e o amigo do irmão sabotar suas tentativas, mas parece que nem graça teve, é uma pena que não superou as expectativas, pois a capa é muito bonita.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Maria,

      realmente esse aqui foi bem diferente do que eu entendo dos livros da Julia. mas vamos ver os próximos. A capa dos 4 são lindas

      =)

      Excluir
  3. Sempre digo que vou começar a ler os livros da Julia Quinn, mas acho que vai ser a outra série dela rs
    Já vi comentários de várias pessoas dizendo que não é tão bom como os Bridgertons..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem certeza? Não sei se faz muito seu gênero não Twin.

      Excluir
  4. Terminei a leitura no sabado! Adorei
    Ja embalei na historia seguinte mas ainda nao consegui me apegar muito, mas acredito q vai ser igualmente encantadora a esta :)

    Julia Queen/Quinn

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eita que para mim foi ao contrario.. eu gostei mais do 2 que do 1.

      Excluir
  5. Super curiosa em relação a esse livros da Julia Quinn
    Acho que Box estava em promo esses dias, no dia da mulher, eu acho
    Eu estou bastante curiosa em conhecer mais a fundo esse romance de época, porque adoro esse gênero.

    ResponderExcluir
  6. Oi Lud,
    Ainda estou na esperança de começar a ler Julia Quinn e não é por falta de livro, pois tenho 3 obras da autora, mas estou sempre enrolando em começar a ler. Sei que para começar a ler estes livros da série Smythe Smith seria bom ter lido a série os Bridgertons primeiro, então é melhor eu correr. Agora me explica como você faz parte de um quarteto musical, mas não tem dom nenhum para música? Coitados dos ouvintes...hehehhe. Já vi que Honoria é uma personagem carismática e com uma personalidade bem cativante e acompanhar ela na saga para encontrar um marido será divertido. Quero poder me encantar com Marcos e o romance que irá surgir entre eles!

    ResponderExcluir
  7. Oi, Lud!!
    Estou lendo os livros da Série Os Bridgertons, é amando cada livro lido!! E sim estou doida também para ler essa série Smythe Smith. E de preferencia quero aquele box lindo!!
    Beijoss

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei