[RESENHA] A Soma de Todos os Beijos - Julia Quinn

A Soma de Todos os Beijos
Quarteto Smythe-Smith # 3
Julia Quinn

Skoob | Compre | Editora
Resenha 01, 02

Lorde Hugh Prentice é um gênio da matemática e teve sua perna (e sua vida) arruinada por causa de um duelo com seu amigo, Daniel Smythe-Smith.
Nesse livro, conheceremos um pouco da história de Hugh, antes e depois do acontecido. Sua família, o desespero de seu pai para conseguir que um de seus filhos lhe desse um herdeiro, visto que um não é chegado à mulheres e o outro, provavelmente terá dificuldades em encontrar uma esposa, e principalmente em ter filhos.
E, claro, sua relação de amor e ódio com Sarah Pleinsworth, prima mais velha de Daniel, que mesmo antes de conhecê-lo, já odiava Hugh por ter arruinado sua família através desse duelo.
Mas, as coisas começam a mudar quando Honoria, sua prima, pede para Hugh substituir seu padrinho no casamento e para Sarah ser sua acompanhante durante sua estadia, para que ele ficasse mais confortável diante dos familiares de Daniel. E esse tempo se prolonga, já que Daniel se casará duas semanas depois da irmã e resolve torná-los uma única festa...
É claro que eles não se dão no início, mas com o tempo, ainda mais depois do primeiro casamento, quando ela fica impossibilitada de andar, eles deixam as diferenças de lado e começam a se conhecer realmente, e, o que era ódio, acaba se tornando uma paixão avassaladora.
Mas as limitações de Hugh vão ser apenas um dos problemas que o casal enfrentará pelo caminho...

Dando sequência ao quarteto, temos agora a história de Sarah, a pianista deste grupo pouco afinado, e que já mostrou, nos livros anteriores, sua intensa aversão em tocar nos recitais (eu a compreendo, Sarah), recitais estes que mais parecem o momento anual de passar vergonha em família e diate da sociedade londrina que, infelizmente, insiste em comparecer a esse evento. Se por pena ou para dar uma força moral, ninguém ainda sabe.

Mas como a única forma de se livrar desse constrangimento é casando, seu suplício está longe de chegar ao fim. Sem pretendentes à vista que possa tirá-la desse tormento, o jeito é se resignar (ou dar desculpas convincentes para não participar). Claro que ela poderia ter se livrado disso se tivesse debutado um ano antes, quando a temporada estava cheia de cavalheiros, bons partidos que infelizmente, logo foram "fisgados". Mas devido aos acontecimentos com seu primo, Daniel, ela não pôde. Assim, só lhe resta culpar Hugh Prentice de seu infortúnio. Ele que provocou o duelo e o escândalo que fez sua família ficar reclusa durante meses, sem aproveitar a temporada. Nada mais lógico que dedicar-lhe um desprezo gratuito. Mesmo sem antes terem o mínimo contato social.

Hugh Prentice, um matemático que esconde uma mente brilhante, deixou a bebida embotar sua mente por uma única noite, o que o fez cometer um erro que teve como consequência a partida de seu amigo Daniel e ainda o deixou com uma deficiência na perna. Além de ter provocado a ira do seu pai sobre Daniel, sequer imagina que isso também provocou o desprezo de Sarah, a quem nunca teve contato, mas pelo breve que vira, considerava uma criatura fútil e dramática. Opinião que se agrava quando ela o agride gratuitamente, derramando suas mágoas sobre ele.

Resultado disso? Diálogos inflamados, recheados de provocações intermináveis com Hugh muitas vezes desconcertando a jovem, que achava cheia de razão. os dois realmente não se suportam, sempre travando alguma guerra sutil de palavras que deleita a nós, leitores. Os dois obviamente não esperavam levantar forçadamente uma bandeira branca a pedido de Honoria, que pede à Sarah que seja a acompanhe de Hugh durante a celebração do seu casamento. Isso força que ambos deixem a animosidade de lado e convivam em relativa paz pelos próximos dias. 

Claro que, tendo que conviver e deixar as armas verbais de lado, os dois logo têm a oportunidade de se conhecerem melhor, e as impressões negativas vão sendo deixadas de lado pelo caminho. E um único beijo passa a fazê-los questionar tudo o que sentiam um pelo outro. E a soma de cada beijo que ambos trocam levam a um resultado: que o amor e a paixão surgem de repente, podendo ser por alguém totalmente inesperado que vai despertar o desejo de se entregar totalmente.

"– A aritmética funciona de modos misteriosos.
Sarah revirou os olhos.
– Ao contrário do amor?
– O amor é totalmente incompreensível – afirmou Honoria. – A aritmética é apenas misteriosa."

Porém, com a descoberta do amor, os dois também vão descobrir que nem sempre a felicidade está ao alcance e que se precisa vencer vários obstáculos para o tal almejado "felizes para sempre."



A Soma de Todos os Beijos é também a soma de tudo aquilo que gostamos de ler nos livros de Julia Quinn: romance, momentos engraçados, um casal cheio de personalidade, sem contar os personagens secundários maravilhosos. Destaque para as irmãs de Sarah (preciso de uma série só com elas). Os diálogos são bem divertidos, deu uma dinâmica muito boa.

Sobre os protagonistas, amei a forma como os dois foram construídos, como o romance se desenvolve entre duas pessoas aparentemente tão diferentes. Sarah acaba por não ser a mocinha fútil que Hugh acredita que seja, ela se revela uma pessoa com uma personalidade que o cativa, pronta a admitir seus erros e consertar suas falhas. E ainda esconde uma natureza romântica que só ele foi capaz de despertar.

Sobre Hugh (suspiro), eu realmente o amei. Sua personalidade espirituosa, e por vezes distante, esconde um homem protetor com quem ama e dedicado aos seus. Me envolvi completamente com seus traumas de infância e seus medos atuais sobre não ser merecedor de amor pelos seus defeitos físicos, muitas vezes achando indigno de ter Sarah por isso. E essas inseguranças vão sendo trabalhadas lentamente, durante o relacionamento em construção com ela.

Também achei bem válido a abordagem desses conflitos que deixa o relacionamento dos dois no meio deles, deu aquela pitada a mais na história e fez com que os personagens crescessem, principalmente Sarah, que deixou de ser uma mocinha passiva para ir em busca do que quer. Isso e outros detalhes que a autora coloca ao longo do romance, como a interação com os personagens dos livros anteriores, faz com que a leitura realmente seja prazerosa.

Enfim, mais uma história que vale a pena a leitura de cada linha. E não posso deixar de indicá-la para os amantes de Julia Quinn.





8 comentários:

  1. aaaaaa agora simmm!! Pq no livro 01 e 02 não achei muito com a cara da escrita da Julia. Mas nesse aqui dá para perceber que a escrita está presente!!! Vou retomar a leitura da série!

    =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode retomar, Lud, a série melhora a cada livro!

      Excluir
  2. Quero ler essa série, pois ainda não conheço a escrita da autora. A personagem parece ter um gênio forte ou ambos, deve arrancar risadas dos leitores os dois com suas diferenças. Gostei do romance deles que no começo parecia improvável é que foi construído aos poucos conforme foram se conhecendo melhor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maria, você precisa conhecer as obras de Julia Quinn, menina!
      Ela é ótima, você vai se apaixonar!
      Bjos

      Excluir
  3. Ainda não li a serie porém fiquei feliz que A soma de todos os Beijos, e a fusão de tudo que as pessoas gostam no livros da Julia. As coisas que disse, romance, casal de personalidade etc... e as coisas que espero esta encontrando nesta serie. Ansiosa para ler os livros com certeza

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Girlene, esse casal vale muito a pena ler. Sou suspeita pra falar, porque amo mocinhos do estilo de Hugh, mas o conjunto da história vale muito a pena.
      Bjos

      Excluir
  4. Oi, Lucy!!
    Amei a resenha e já quero esses livros para já!! Estou finalmente a série os Bridgertons e estou adorando!! E agora estou ansiosa para ler o Quarteto Smythe-Smith!!
    Beijoss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Marta!
      Então, a série foi melhorando a cada livro, vale muito a pena ler.

      Excluir

Laura Lendo...

Lud Lendo...

Luiza Lendo...