[Resenha] Príncipe Sombrio - Christine Feehan

Príncipe Sombrio
Os Cárpatos – Livro 1
Christine Feehan



Mikhail Dubrinksy é o Príncipe dos Cárpatos, o líder de uma sábia e secreta raça ancestral que vive na noite. Tomado pelo desespero, com medo de nunca encontrar a companheira que iria salvá-lo da escuridão, a alma de Dubrinksy gritava na solidão. Até o dia em que uma bela voz, cheia de luz e amor, chegou a ele, atenuando sua dor e seu anseio. Raven Whitney possui poderes telepáticos e os utiliza na captura dos mais depravados serial-killers. Desde o momento que se conheceram, Raven e Mikhail foram incapazes de resistir ao desejo que faiscava entre eles. Mas forças sombrias tentarão destruir esse frágil amor. E mesmo que sobrevivam, como poderão - cárpato e humano - construir um futuro juntos?

Eu havia lido os primeiros livros dessa série muitos anos atrás e foi uma das primeiras séries que eu li que misturava um lado mais erótico com o sobrenatural. Eu costumo brincar com minhas amigas que reler um livro que você tenha gostado muito - especialmente se tiver passado anos desde a época em que você leu - é como reencontrar um velho amigo. Traz uma sensação de alegria nostálgica, como se vocês fossem jovens novamente e o tempo não tivesse passado. Foi o que eu senti relendo esse livro.

Séculos de solidão e violência por fim estão cobrando seu preço. Mikhail Dubrinksy é o príncipe de uma raça à beira da extinção. Eles são Os cárpatos. 
"É verdade que sinto muito pouco, que minha natureza se delicia na caça, na morte. Para dominar a fera selvagem, precisamos encontrar nossa parceira, nossa outra metade, a luz da nossa escuridão. Você é a minha luz, Raven."
Os cárpatos são uma raça completamente diferente, seus dons especiais tem origem da terra. O solo é sagrado para eles, uma fonte de energia revitalizadora. São capazes de fazer qualquer coisa natural vinda da terra - como uma roupa - tomar a forma de qualquer animal, se tornar incorpóreos, falar com animais, ler mentes, além de viverem durante séculos se mantendo jovens e se curarem usando a terra.  

Existem muitas semelhanças com os vampiros como: o fato deles se alimentarem do sangue de seres vivos, buscarem o conforto de um local de descanso dentro do solo e a luz do sol feri-los. No entanto, os cárpatos abominam violência injustificada e nunca tiram a vida de um ser humano ao se alimentarem. Essa é uma linha que uma vez cruzada não tem volta, se eles matarem um ser humano apenas pelo prazer, perdem totalmente o controle para a fera que habita dentro deles e se transformam em vampiros de verdade: criaturas vis, que matam apenas para obter prazer, sem escrúpulos de ferir, torturar ou qualquer outro método que julgarem necessário para atingir seus objetivos.
"Não esqueça, o vampiro gosta do que faz. Ele sente uma emoção quando mata, é a agitação de uma droga de que ele não pode escapar. A dor dos outros alimenta esse vício."
Infelizmente, mais e mais cárpatos vêm morrendo ao longo dos séculos. Isso porque para controlarem seu lado mais sombrio e obscuro, devem formar um laço com um companheiro de alma verdadeiro. Com a escassez de mulheres com quem criar um vínculo, mais e mais homens cárpatos se entregam para a tentação de matar durante a alimentação, onde pelo menos durante poucos segundos conseguem obter um prazer perverso, perdendo a alma no processo.

Os que não se entregam à besta que parece rugir insaciável dentro deles, acabam colocando fim a própria vida caminhando voluntariamente para o sol antes de perderem o controle. O tempo é o principal inimigo, quanto mais o tempo passa, mais fácil é ceder aos impulsos da besta e perder a alma. O desespero cresce em igual medida.
E é assim, quase sem esperança e contemplando a ideia de pôr um fim à sua existência que o príncipe dos cárpatos tem sua mente tocada por Raven.
"O mundo dele era escuro e cinza, e continuaria sendo até que encontrasse uma companheira, ou buscasse o consolo do amanhecer."
Raven é uma mulher humana com dons psíquicos, é extremamente sensível e compassiva, sua natureza gentil abomina crueldade e sempre faz seu melhor para ajudar aqueles que necessitam. Sensibilizada pela dor e desespero de Mikhail, ela tenta encorajá-lo a lutar e não desistir de sua vida, porém ela não tem ideia das consequências que esse mísero contato traria para a vida de ambos. 

Poderia uma mulher completamente humana ser uma companheira à altura do formidável príncipe dos cárpatos? E, se não for possível, Mikhail poderá abrir mão dessa união e voltar novamente para uma vida de trevas e solidão? 

Ele carrega a responsabilidade por seu povo nos ombros e sabe que não pode falhar. Muitos desafios aguardam esse casal improvável.

Cada livro conta a história de um casal, como vocês devem ter percebido. Eu havia me esquecido completamente do quanto eu amava o humor moleque do Jacques (irmão do príncipe) e como me sentia levemente atraída pelo resmungão do Gregori (conhecido como O Sombrio por sua raça). Os dois acabam ficando muito próximos do nosso primeiro casal, então em alguns momentos, eles roubam completamente a cena e nos fazem suspirar e ansiar pelos próximos volumes da série.


A série Os Cárpatos possuem 4 livros publicados pela Universo, sendo o último publicado em 2014.
Nos EUA já conta com 30 livros publicados. 
Confira as capas nacionais.


"Entre no mundo encantador dos Cárpatos, onde uma sombria aventura, mistério e o amor se mantém em espera, e os desejos de dois corações audaciosos unem-se em uma paixão irresistível."


6 comentários:

  1. Uau trinta livros é muito então a série deve ser muito boa para chegar a tanto. Eu li esse faz um bom tempo e gostei achei bem diferente suas vidas e os dons virem da terra. O personagem é preocupado e carrega uma responsabilidade grande para com seu povo, Gostei muito da Raven ainda mais por ajudá-lo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também gostei da variação, muitas vezes esse tema de vampiros acaba sendo tedioso com muito "mais do mesmo"... Os outros da série são ainda melhores, vale a pena dar uma chance pra série.
      Bjss

      Excluir
  2. Uma das minhas melhores amigas veio me contar dessa série em 2014 se não me engano e jurou que era uma espécie de IAN e que iriamos amar, um tempinho depois eu até comecei a ler esse livro, mas tive que parar pra terminar um outro livro que já tinha começado e nunca mais terminei esse do Principe, hoje em dia nem lembro onde parei de ler, mas quero recomeçar, ainda mais depois da resenha!

    ResponderExcluir
  3. Ownnnnnnnnnnnnnn

    eu tenho que ler essa série!!!! Eu já tinha visto, mas sempre deixei passar, não sei porquê.

    <3

    ResponderExcluir
  4. Eu ainda não li os livro dessa serie, porém mesma assim vou dizer algumas coisinhas que pareceu ser para mim. Achei a hsitoria bastante intensa, cheia de muito coisa, sabe. Fiquei bastante curiosa se Christine soube lidar a organização de varios detalhes na obras. Só lendo mesmo pra saber, enfim, adorei a resenha, espero ter oportunidade de ler algum dia essa serie

    ResponderExcluir
  5. Uma amiga já tinha me indicado essa série mais infelizmente ainda não li nada da Christine Feehan!! Fiquei bem empolgada com os livros mas são tantos!! E é uma pena que só quatro tenha sido traduzido para o português!!
    Beijos

    ResponderExcluir

Laura Lendo...

Lud Lendo...

Luiza Lendo...