04 janeiro 2017

[Resenha] Sorrisos Quebrados - Sofia Silva

Sorrisos Quebrados
Quebrados


Paola
Perante Deus, o meu marido prometeu me amar.
Cuidar de mim. Ser meu amigo.
Perante todos, disse que me amava. Que íamos ser felizes.
Viver para sempre juntos.
Mentiu em tudo.
Até que um dia, perante mim, ele disse que ia me matar. E não mentiu.
A partir desse dia vivi escondida no meu mundo, até o André aparecer.
André
Não procurava nada. Não queria ninguém.
Não depois de tudo que vivi.
O meu coração estava escondido na escuridão, até a Paola surgir com as suas cores, pintando a minha vida.
Sorrisos Quebrados é um romance colorido entre duas pessoas Quebradas por relacionamentos passados. Uma história de superação dos próprios medos e promessas.

Quando comecei a ler Sorrisos Quebrados, já tinha noção de que a história abordaria bastante sofrimento e de consequente superação. O que não fazia ideia era da extensão da violência sofrida pela personagem principal, a doce e fragilizada Paola. 

Nossa heroína, aos tenros 18 anos, conhece um verdadeiro príncipe encantado. O rapaz mais desejado de todo seu círculo acaba vendo nela algo que ela não sabe o que é, e mesmo desacreditando da própria sorte, ela não resiste à tamanha bênção da possibilidade de viver seu verdadeiro conto de fadas. O que ela desconhece é que o paraíso acaba virando o inferno em curto tempo, com seu príncipe salvador se transformando no mais terrível algoz. 

Paola é torturada emocionalmente e fisicamente, mantida em cárcere privado durante anos pelo marido, até que um dia, aparecendo a chance de fugir, acaba acontecendo o que todas as mulheres que vivem essa realidade temem ou anseiam.

Ela sobrevive por um triz, porém sua possibilidade de recomeço é massacrada pelas cicatrizes internas e pelas externas, que deformam seu corpo e rosto. Imaginem o que é passar pela vergonha de ter cometido um mal julgamento que lhe custou tudo e ainda ver a pena por uma mulher desfigurada refletida nos olhos de todos. 
“Às vezes precisamos olhar para as pessoas com os nossos corações e não com os olhos, pois só assim nós vemos quem realmente são.”
Depois de anos, ela se refugia com sua arte e tintas em uma clínica, preparando-se para dali enfrentar o mundo. 

Então temos o André, pai solteiro e trabalhador da construção civil, nenhum dos dois por opção, mas por escolhas que fez na juventude, com um coração ferido protegido por uma carcaça impenetrável. 

Sua filhinha, Sol, acaba frequentando a clínica de recuperação onde Paola reside, e desde o primeiro encontro as duas estabelecem uma relação única. A criança, que tem problemas sérios de interação social, se identifica com o rosto desfigurado e com o espírito semelhante dela, e a partir daí as duas não se desgrudam. Paola se torna melhor amiga e professora de arte/terapeuta alternativa de Sol. 

Isso acaba, irremediavelmente, trazendo Paola também para a vida de André. Os dois são pessoas feridas e marcadas, e a curiosidade de André leva a uma aproximação além da esperada. Daí uma relação física estipulada em vários “só esta noite” deslancha, até os dois precisarem romper todas as suas barreiras e medos. 
“Esta mulher nos meus braços, que tinha todas as razões para estar amargurada, brilha não para se iluminar, mas para trazer luz aos outros.(...)”
Para André, por incrível que pareça, foi bem mais difícil. Seu passado traumático e o de Sol só é revelado mais adiante e ele vacila várias e várias vezes, mesmo com uma chance de amar bem à sua frente. 

Se você não suporta um mocinho vacilão, vai se irritar muito com o André. Mas paciência, mocinhos-mulas acabam incentivando o avanço da leitura. Sabemos que aqueles mais traumatizados pelo amor são os que amam com mais intensidade, e o que mais queremos é ver essa capacidade de amar em ação outra vez.

Uma coisa que ameniza o efeito desse comportamento dele foi a atitude da Paola de não parar com a vida na sua ausência, de seguir sempre em busca de uma melhora constante de sua condição. E também a garotinha, Sol, que deu uma dinâmica maior ao livro e ofuscava muito os sentimentos de frustração que acabamos por ter com o comportamento de André.

Bem, a superação eventualmente ocorre, e a mensagem do que podemos fazer por nós mesmos com o apoio do amor que sentimos e do que nos é dado é transmitida perfeitamente por um casal e uma criança com mais demônios do que seria possível cogitar. 

As tintas da arte de Paola, que encantam a Sol e o André, são uma metáfora linda das cores com as quais todos decidem pintar o mundo que precisaram reconstruir para si mesmos. Um mundo que pintaram juntos.


Sobre a obra em geral, devo dizer que ela em si é bem estruturada, segue uma sequência narrativa através de uma escrita bem fluída e até em certos momentos poética, digamos assim. Creio que deve ser uma característica da autora, que mostra escrever muito bem. Apesar de eu não gostar do excesso de metáforas e analogias, esses detalhes caíram bem à história, por se tratar de duas pessoas com traumas emocionais bem fortes, mesmo que em alguns momentos dos diálogos considerar até um certo exagero. Nesse sentido, creio que a revisão poderia ter sido mais aprimorada para destacar o sentido poético que a autora quis dar ao texto.

Sobre os personagens, foram muito bem construídos, o que pecou realmente foi o comportamento de André. Parecia-me em ocasiões que ele escolhia ficar com Paola porque era uma pessoa que não podia atingi-lo e poderia dar a ele alguns momentos de prazer. Ou seja, eu esperava um homem mais forte, que pudesse mostrar que a beleza interior, que tanto o livro menciona, fizesse isso acontecer para todos. Então, para mim, Sol salvou em muitos momentos o livro, com a sua doçura e inocência infantil.

Também gostaria de ter visto uma passagem de tempo mais dinâmica, mostrando uma Paola mais forte saindo do seu “casulo”, afinal ela se escondeu por tanto tempo, merecia que o leitor visse a evolução dela. Isso me frustrou até certo ponto, pois eu sinceramente esperava mais, não apenas o romance em si. Acho que a superação de amar novamente deveria ter sido acompanhada por algo mais, principalmente para ela, que passou tanto tempo escondida do mundo e de si mesma.

Claro, esses pontos não estragam a obra, que realmente deve ser lida para quem gosta de histórias de superações emocionais.


Compartilhe!

16 comentários :

  1. Adorei a resenha! O livro parece ser muito emocionante e repleto de drama, aborda um tema polêmico. Me interessei bastante, ainda mais por ter uma personagem infantil que sempre traz um clima mais leve aos livros. Parabéns pela resenha, sua escrita é maravilhosa <3 Beijos!
    http://livroseafins2.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Adorei a resenha, mas não gosto muito desse tipo de livro, na verdade eu fujo dos romances em geral é tendo a não gostar do protagonista, os pinto que você destacou só me fizeram ter certeza de que não é o livro pra mim, no entanto indiquei ele pra mim mãe, é exatamente o tipo de livro que ela ama. Espero que goste desse.

    ResponderExcluir
  3. Terminei esse livro e estou encantada. Que mensagem e história linda.
    Aautora manja da escrita o que pra mim foi surpresa pois tem muito livro ruim sendo lançado sem que os autores saibam básico. Gostei muito como usou a poesia para fazer analogia.
    Mas sabe que foi isso que mais amei em toda a história: ele também estar quebrado e lutando.
    Em todos os livros sobre mocinhas traumatizadas, o homem é sempre quem salva, aqui não, a autora deu um chega pra lá no clichê e criou um homem com falhas. Isso me prendeu porque todos os livros escritos estão com homem possessivo, confiante...
    A autora mostra que mesmo sofrendo, Paola ia viver sem ele. Foi André que precisou pensar na vida. Esse diferencial me cativou em um mundo literário dominado por homens com perfis semelhantes.

    Com certeza é uma autora que vou estar atenta a lançamentos.

    ResponderExcluir
  4. Meninas, não consegui ler esse post ainda mas o salvei porque adoro a escrita daqui. Acompanho desde a Bienal do RJ, acho que em 2013, quando conheci duas autoras e me encantei. Achei que deveriam ler isso hahahahah
    Um beijinho!
    http://www.josya.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Ansiosa para ler!
    Pra todo lado surge alguém que fala bem sobre esse livro.
    Minhas amigas estão apaixonadas por Sorrisos Quebrados, mas estava sem tempo $$$ e não deu para comprar.
    Todas falam isso da autora escrever muito bem e que a escrita é bem diferente e cativante.
    André <3 Sei que vou amar porque as gurias ficam falando que ele é paizão e muito quebrado. AMOOO um homem quebrado!!!

    ResponderExcluir
  6. Não conhecia a obra nem autora, mas depois da resenha fui pesquisar e tem muita resenha sobre esse livro. Sucesso todo e eu sem saber!!!
    Fiquei com muita vontade para comprar. Adoro histórias assim com pessoas que sofreram e encontram segundas oportunidades. Saber que é forte traz mais vontade.
    Sabem se tem físico pois só estou encontrando em formato e-Book, mas com essa capa mara queria físico.

    ResponderExcluir
  7. Ameeei a resenha, parabéns!
    O enredo tá excelente, eu não conhecia, está mais q anotado na listinha dos desejados!
    Gosto qdo o assunto me prende atenção e este com toda ctz conseguiu!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  8. Acho essa capa linda. Que momentos de horror passou a personagem, ainda bem que ela conseguiu se libertar, mas mesmo assim continua as marcas do que passou, pois não é fácil esquecer esses momentos e levar a vida adiante, acho que passa uma boa lição para o leitor não desistir e seguir em frente apesar de tudo. Pena que deixou um pouco a desejar.

    ResponderExcluir
  9. Terminei de ler a pouco tempo, e ao contrário de você não sabia o que me aguardava, de cara já fiquei chocada com o prólogo, que é muito forte. A história de amor dos dois é realmente linda, apesar dos vacilos do André, mas o que mais me encantou foram as cenas da Paula com a Sol, me emociono só de lembrar a cena do avental 😪😍

    ResponderExcluir
  10. Primeiramente: Que capa LINDA. Sério mesmo, é daqueles livros que dá vontade de colocar na estante porque é lindo ♥ Mocinho vacilão não é muito a minha praia, mas sou apaixonada por escrita poética e histórias de superação. Uma combinação dos dois, então! Acredito que esse livro deve ser maravilhoso!

    ResponderExcluir
  11. Toda a leitura é uma experiência e para mim Sorrisos Quebrados é das histórias mais lindas de superação que li. Adoro a escrita da autora e leio tudo que escreve.
    É romance e aprendizado. Nosso coração fica cheio de emoções.

    ResponderExcluir
  12. Gente, a Luci também participou da resenha, mas não colocou o nome! ¬¬

    ResponderExcluir
  13. Esse livro parece tão maravilhoso!
    É realmente um tema bem difícil de se falar ou lidar mas pela resenha parece que o autor fez isso muito bem mostrando a histórias de ambos os personagens e a garotinha.
    Fiquei com vontade de ler.

    ResponderExcluir
  14. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  15. Eu fico tão tensa quando leio histórias em que mulheres passam por esse tipo de situação. Imagina só... cárcere privado!? Com certeza é uma história bem tocante devido a superação Todo o drama que a personagem passa, deve ser lindo depois de tudo o que ela passou e tem um tom poético que deve deixar tudo mais lindo.

    ResponderExcluir
  16. Parece que você tirou as palavras da minha cabeça e resenhou! Kkkkkkkkkk! Sério, achei que tinha sido só eu que tinha dado 3 estrelas pro livro e não 5.
    Eu achei o enredo bem bom, a escrita da autora é boa, coerente, maaaas, maaaas, é poética demais. Tinha hora que eu tava lendo e pensava "sério que ela escreveu isso?". Uma escrita poética até certo ponto é legal, mostra a criatividade do escritor mas achei que ela exagerou demais. Fiquei impressionada em como a gente achou a mesma coisa do livro kkkkkkkkkk porque também fiquei pensando que se tivesse um editor bem bom o livro teria fico excelente. O livro é bom, mas dá pra melhorar.

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei