29 novembro 2016

[Resenha]A química – Stephenie Meyer

A química – Stephenie Meyer
Editora Intrínseca, 2016.



Ela trabalhava para o governo americano, mas poucas pessoas sabiam disso. Especialista em seu campo de atuação, era um dos segredos mais bem guardados de uma agência tão clandestina que nem sequer tinha nome. E quando perceberam que ela poderia ser um problema, passam a persegui-la. A única pessoa em quem ela confiava foi assassinada. Ela sabe demais, e eles a querem morta. Agora ela raramente fica em um mesmo lugar ou usa o mesmo nome por muito tempo.
Até que um antigo mentor lhe oferece uma saída — uma oportunidade de deixar de ser o alvo da vez. Será preciso aceitar um último trabalho, e a única informação que ela recebe a esse respeito só torna sua situação ainda mais perigosa. Ela decide enfrentar a ameaça e se prepara para a pior batalha de sua vida, mas uma paixão inesperada parece diminuir ainda mais suas chances de sobreviver. Enquanto vê suas escolhas se evaporarem rapidamente, ela vai usar seus talentos como nunca imaginou.


Se você é como eu que viu a notícia do lançamento do novo livro da titia Meyer e logo correu para garantir seu exemplar, se deparou com essa história um tanto quando ‘diferente’ dos padrões, não é mesmo? Eu estava um pouco tensa sobre ler esse livro e me decepcionar, como aconteceu em A Hospedeira (eu sei, eu sei, dizem que é muito bom se você passar das 100 primeiras páginas. O problema é conseguir essa façanha). Isso infelizmente se repete em ‘A Química’. Já sabendo disso, eu fui muito leitora guerreira pra continuar lendo este aqui até chegar na 100ª página, para ENFIM começar a curtir o livro. No fim das contas, fiquei aliviada por não ter parado a leitura, pois me agradou bastante.

“É curioso como não nos damos conta do quanto temos a perder até perdermos”.

Sinceramente, quando li a sinopse fiquei esperando algo com muita investigação e mistério, e fiquei espantada com o tanto de romance e ação que encontrei, já que não foi falado nada sobre isso na apresentação do livro. Eu fiquei a todo momento imaginando uma adaptação cinematográfica (e acredito que claramente a autora também), pois esse livro tem muito perfil para ser filme. Outra coisa que a autora deixou extremamente clara é que ‘A química’ é completamente contrário à situação da saga ‘Crepúsculo’, onde o homem ocupa o papel de fortão, inteligentão e poderoso. Em ‘A Química’, esse papel é ocupado pela mulher. É tão difícil ver a mulher nesse lugar que achei até um pouco estranho, mas depois achei o máximo e se tornou um dos pontos positivos do livro.

A narrativa é em terceira pessoa, basicamente acompanha a perspectiva apenas da química. No início do livro é um pouco irritante que a autora se dirija à personagem usando ‘ela’ ao invés de algum nome. Isso porque ela está sempre trocando de identidade, a ponto de ela mesma não se reconhecer em nenhuma. Depois ela se fixa em apenas uma identidade, e então ganhamos a companhia de Alex, uma médica cientista/química muito inteligente. De certa forma, sua própria inteligência é o que a vem ameaçando de morte. A CIA a quer morta para eliminar de uma vez por todas as informações que ela teve acesso, e ela é a última que falta pra lista acabar e o segredo morrer.

“Estava viva, sim, e tinha batalhado arduamente para manter essa condição, mas, durante suas noites mais tenebrosas, às vezes ficava imaginando por que motivo continuava lutando”.

Algo que me irritou muito foi a falta de introdução no início do livro, sobre do que se tratava a história. Sinceramente só fui entender REALMENTE o que estava acontecendo, como é que ela tinha parado naquela situação e o que ela era antes de estar ali, lá pela página 100. Titia Steph podia ter arrumado um jeito de nos informar dessas coisas antes, acho que as primeiras páginas não teriam sido tão maçantes se de fato estivéssemos compreendendo a situação da química.

“Era esquisito como, agora, ela se sentia à vontade com o fato de matar gente, como o considerava prazeroso”.

Em um último trabalho para a CIA, com a promessa de que a deixariam em paz depois disso, ela é mandada atrás de um cara. Aparentemente, ele levava a vida certinha sendo um professor do colegial, técnico de vôlei da criançada e ainda passava suas férias fazendo trabalho voluntário no México. Porém, segundo informações que eles acabaram de receber, ele na verdade usava o trabalho de professor para disfarçar que ele era na verdade um terrorista prestes a matar milhares de pessoa.

É então que as coisas começam a esquentar e o livro fica realmente bom. Vários personagens são incluídos e muita muita ação acontece daí em diante. E é também nesta fase que o romance começa a acontecer. Como há duas possibilidades de romance, não citarei aqui os nomes dos demais personagens para que não seja um spoiler, ok?

“Nunca me senti tão atraído por alguém como me sinto por você, e senti isso desde o instante em que nos conhecemos. É como a diferença entre... entre ler sobre a gravidade e cair pela primeira vez”.

Pra mim, o livro teve dois defeitos: a paixão aconteceu rápido demais e o livro é longo demais. Como de praxe, os homens da titia Steph são de quatro por suas mulheres e neste aqui não é diferente. E sobre o livro ser longo demais, eu facilmente tiraria umas 150 páginas dele, no mínimo (toda a primeira parte).

Até agora, temos a informação de que se trata de um livro único. Espero que vocês gostem da dica e venham me dizer o que acharam depois que lerem ;)


Compartilhe!

4 comentários :

  1. Oi Nathy,
    estou bem curiosa com esse novo livro, mas ainda não comprei. Não estava no clima de ler Steph rsrsrs
    Eu amei A Hospedeira e gostaria muito de uma continuação, e só me deixou triste saber que novamente vamos lutar para chegar a página 100 e o livro começar de verdade. Ela tem esse costume, escrever livros longos demais.

    Beijos,
    Anne
    Fadas Literárias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E eu ate hj nao conclui A hospedeira hahahaha. Nem vou, agora q ja vi o filme!

      Infelizmente eu achei sim o livro bem chatinho ate a pag 100. Mas vai por mim, depois compensa!

      Excluir
  2. Oie, tudo bom ??

    eu estou meio assim, se comprou ou não o livro. Eu amei Crepusculo, mas esse tem uma pegada totalmente diferente, tenho medo de não curtir, porque a Stephenie tem um lugar no meu coração! Mas vamos tentar né, algumas coisas que você citou é muito da escrita dela, então posso ter esperança!

    =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente este lançamento é totalmente outro tema. A unica coisa q achei parecida foi a necessidade da autora em ter alguem 'fortao' e 'superior' na relaçao, como acontece com nosso Ed e Bella. Mas enfim, compre! Vc vai gostar!

      Excluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei