[Resenha] A Caminho do Altar - Julia Quinn

A Caminho do Altar
Os Bridgertons # 8

Resenha livro : 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7

Ao contrário da maioria de seus amigos, Gregory Bridgerton sempre acreditou no amor. Não podia ser diferente: seus pais se adoravam e seus sete irmãos se casaram apaixonados. Por isso, o jovem tem certeza de que também encontrará a mulher que foi feita para ele e que a reconhecerá assim que a vir. E é exatamente isso que acontece.
O problema é que Hermione Watson está encantada por outro homem e não lhe dá a menor atenção. Para sorte de Gregory, porém, Lucinda Abernathy considera o pretendente da melhor amiga um péssimo partido e se oferece para ajudar o romântico Bridgerton a conquistá-la.
Mas tudo começa a mudar quando quem se apaixona por ele é Lucy, que já foi prometida pelo tio a um homem que mal conhece. Agora, será que Gregory perceberá a tempo que ela, com seu humor inteligente e seu sorriso luminoso, é a mulher ideal para ele?
A caminho do altar, oitavo livro da série Os Bridgertons, é uma história sobre encontros, desencontros e esperança no amor. De forma leve e revigorante, Julia Quinn nos mostra que tudo o que imaginamos sobre paixão à primeira vista é verdade – só precisamos saber onde buscá-la.

Como podemos reconhecer o amor? Que sensação teremos quando aquela pessoa especial, que fará parte da nossa vida, finalmente surgir? Ela deve sentir uma paixão fulminante ao primeiro olhar? Você será imediatamente correspondido por sua alma gêmea?

Essas e outras questões permeiam a mente de Gregory Bridgerton, quando ele finalmente parece encontrar a mulher perfeita por quem acredita ter se apaixonado e com quem casará. Afinal, tendo presenciado seus irmãos casando por amor e construindo relacionamentos sólidos por causa desse sentimento, inevitavelmente tem uma natureza romântica e anseia por encontrar o amor verdadeiro.

Mas Hermione Watson, a jovem por quem pensa nutrir uma súbita paixão, não corresponde aos seus sentimentos, fazendo-o pensar em formas de conquistar a moça. Por sorte, ele tem ao lado dele Lucinda Abernathy, a melhor amiga de Hermione, que está disposta a vê-la casada com alguém que satisfaça seu padrão social. 

Lucinda Abernathy é bem ciente de que, quando está ao lado de sua melhor amiga, torna-se invisível aos homens, em face da beleza de Hermione. Mas isso não a incomoda, já se acostumou com a legião de apaixonados que persegue a jovem, sem que esta corresponda aos sentimentos, embalada pelo entusiasmo de um amor proibido.

Claro que Lucy não vai deixar sua querida amiga, uma lady, se entregar a um relacionamento com um homem que está abaixo do seu nível social. Não que seja esnobe, mas porque prevê as consequências de desafiar os pais e acabar infeliz. Dessa forma, ao perceber o interesse de Gregory, ela decide se tornar sua conselheira amorosa, podemos assim dizer, para que ele conquiste a jovem.

A questão é: o que uma jovem, que nada sabe sobre amor e paixão, que até duvida de que algo forte assim possa existir, entende sobre relacionamentos e conselhos amorosos? De fato, Lucy nem pode se atrever a sonhar com algo tão arrebatador, pois há anos seu tio a prometeu em casamento, e ele logo se realizará.

Porém, estar perto de Gregory lhe mostra uma grande verdade: o amor existe e surge da forma mais inesperada, distraindo e reformulando todos os conceitos que acreditamos, criando novas expectativas de um futuro onde a obrigação será substituída pelo prazer de ter escolhido livremente alguém. Ou somente a de uma vida infeliz quando não se pode desfrutar do verdadeiro amor.
"Ela o amava. Sempre amaria. E também o odiava por fazê-la querer o que não podia ter. Ela o odiava por amá-la tanto que estava disposto a arriscar tudo para ficarem juntos."
Gregory, através do seu relacionamento com Lucy, descobre que o amor não surge obrigatoriamente de forma arrebatadora; ele também pode vir suavemente, mas sem perder a intensidade. E que você pode encontrá-lo na pessoa que estava ao seu lado a todo momento, mesmo que você custe a ler os sinais.
"Ele a amava. Era a sensação mais estranha e mais maravilhosa. Era emocionante. Era como se o mundo de repente tivesse se aberto para ele. Claro. Ele entendeu tudo o que precisava saber, e estava tudo bem ali nos olhos dela." 
Pronto para viver esse amor, Gregory fará o que for possível para que Lucy seja inteiramente sua, não importa os atos que tenha que realizar ou as decisões que deve tomar. Ele finalmente encontrou o amor. Não está disposto a perdê-lo e não o vivenciar com Lucy.


Me pareceu, nesse livro, que Julia Quinn deu à história um ritmo diferente dos livros anteriores. Como é característica da sua escrita, a história fluiu, não deixa o leitor no vácuo, mas ansioso para os próximos acontecimentos. As citações sobre a história, especificando cada capítulo, nos faz repetir aquela famosa frase: só mais um capítulo. Mas o outro sempre atrai.

Lucy é uma personagem muito bem estruturada, com sentimentos altruístas, que deu vida ao romance. Sua personalidade nos faz sentir próxima a ela, por mais louco que isso seja. Você se pega ansiosa para finalmente ver sua entrega, sua felicidade.

Sobre Gregory, creio que é o primeiro personagem masculino que leio com tanta ânsia por encontrar o amor e acreditar nele acima de tudo. Sua personalidade também é cativante, você acaba por se apaixonar por ele e criar as mesmas expectativas de um final feliz.

Enfim, amei cada pedacinho da história. Sabe aquelas séries que são fechadas com chave de ouro? Os Bridgertons é uma delas. Vai deixar muita saudade nos leitores que se apaixonaram por cada irmão, cada história.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laura Lendo...

Lud Lendo...

Luiza Lendo...