18 novembro 2015

[Resenha] Fragmentados - Neal Shusterman

FRAGMENTADOS
Fragmentados 01
Neal Shusterman


Em uma sociedade em que os jovens rejeitados são destinados a terem seus corpos reduzidos a pedaços, três fugitivos lutam contra o sistema que os fragmentaria .
Unidos pelo acaso e pelo desespero, esses improváveis companheiros fazem uma alucinante viagem pelo país, conscientes de que suas vidas estão em jogo. Se conseguirem sobreviver até completarem 18 anos, estarão salvos. No entanto, quando cada parte de seus corpos desde as mãos até o coração é caçada por um mundo ensandecido, 18 anos parece muito, muito longe.
O vencedor do Boston Globe-Horn Book Award, Neal Shusterman, desafia as ideias dos leitores sobre a vida: não apenas sobre onde ela começa e termina, mas sobre o que realmente significa estar vivo.

Houve uma longa e sangrenta guerra chamada Guerra de Heartland. Para acabar com ela e instaurar a paz, foi criada a Lei da Vida que estabelecia que: uma criança não poderia ser tocada desde o momento que fosse concebida até os treze anos de idade. Entre 13 e 18 anos, a criança poderia ser "abortada", por um processo chamado fragmentação. Em tese, ela não morreria, e sua consciência continuaria viva nas partes de seu corpo que seriam distribuídas. Basicamente, todo corpo era separado, cada órgão, cada membro, até os olhos, dentes e cabelos. Estas partes iriam para um "mercado" de distribuição que vendia para os hospitais, onde as pessoas que precisavam pagavam para ter um membro ou órgão transplantado quando necessário.
A medicina já não era mais a mesma, com tantos órgãos disponíveis para transplante. Os médicos não se preocupavam tanto em curar.
“— E se for um campo de colheita, afinal? — diz Emby. Connor não o manda calar a boca desta vez, pois está pensando a mesma coisa.
É Diego quem responde:
— Se for, então quero que meus dedos vão para um escultor. Pra que ele possa usá-los pra criar algo que dure pra sempre.”
É nesse mundo distópico que vivem Connor, Lev e Risa. Três jovens que foram marcados para fragmentação e que terão seus destinos entrelaçados pelas circunstâncias da vida. 

O que eles têm em comum? Querem sobreviver.

Connor tem 16 anos e acaba de descobrir que seus pais vão fragmentá-lo. Descobriu da pior forma possível, ouvindo atrás da porta. Mas, se acham que ele vai aceitar e encarar normalmente a situação, estão muito enganados. Numa certa madrugada, quando todos ainda estão dormindo, Connor foge de casa e parte em busca da sua sobrevivência.

Mas porque ele seria fragmentado? Ele não sabe. Sempre foi um jovem um pouco rebelde, arrumava algumas brigas na escola, mas não sabe exatamente o que levou seus pais a tomarem essa decisão. Ele ficou decepcionado, muito triste e se sentia perdido. Mas jamais desistiria de sua vida.

Risa teve uma vida bem diferente. Ela foi criada em uma instituição pública chamada Casa Estadual, que cuida de crianças abandonadas pelos pais. Ela gosta muito de música, e sua especialidade é o piano. No dia do recital mais importante onde seria avaliada, acabou cometendo alguns pequenos erros. Para a maioria poderia ser imperceptível, mas não para quem estava observando-a. Os jovens que não alcançavam notas excelentes de aptidão, não continuavam na Casa Estadual quando atingiam a adolescência, e este era o caso de Risa. Depois do recital, ela foi chamada na sala do diretor, onde comunicaram sutilmente sobre a sua fragmentação. O que faria Risa?

Lev nao era nada como os outros dois. Décimo filho de uma família rica e bem sucedida, ele nasceu sabendo que seria fragmentado. De acordo com a Bíblia, o décimo filho deveria ser ofertado como dízimo, e Lev foi criado para isso. Tudo em sua vida o fez acreditar que ele era especial, que era seu destino ser fragmentado, que era a vontade de Deus. Ele acredita nisso com todas as fibras do seu ser. Só que o sei destino não acaba aí.

A vida destes três jovens fica entrelaçada em um determinado ponto, e eles devem lutar para sobreviver ao sistema, mas será que conseguirão?

Connor e Risa querem muito sobreviver, e farão qualquer coisa que precisem. Mas Lev acredita que deve ser fragmentado porque era seu destino. 

Como estes três jovens podem encontram um ponto em comum e lutar juntos?
“Antes mesmo de assinar o nome, ele sente as lágrimas brotando por dentro. Não parecem vir de seus olhos, mas lá do fundo das vísceras. É uma onda tão poderosa que machuca o estômago e os pulmões. Os olhos se inundam, e a dor interna é tão imensa que ele tem certeza de que morrerá dela, aqui mesmo, agora mesmo. Mas Connor não morre, e no devido tempo a tempestade interior passa, deixando-o fraco em cada junta e músculo do corpo. Ele sente que precisa da bengala de Sonia só para voltar a andar.”
Esse foi um livro que me surpreendeu muito em diversos sentidos, positiva e negativamente.

O início é muito bom. Quando você é introduzido a esse mundo distópico é bem empolgante. Como vocês viram, o enredo é muito interessante, diferente. A crueldade por trás de um ato que as pessoas consideram "normal", esse ato de "sacrificar" um filho, foi algo que me chocou e me choca até agora.

Vejam bem, não é como a grande discussão que existe sobre o aborto, onde há muitos prós e contras válidos e é realmente um tema que deveria ser discutido. No caso desta história, são pais que criam seus filhos, alimentam, convivem com eles durante mais de uma década e, em determinado momento, decidem que não os querem mais e os vendem (na minha maneira de ver) para serem fragmentados. É cruel não é?

O livro é narrado sob vários pontos de vista. Connor, Risa e Lev são os principais, mas há alguns personagens pontuais, ao longo da história, que vez ou outra narram um capítulo sob a visão deles. Eu achei bem legal essa técnica.

Connor é aquele personagem problemático, cheio de questões internas mal resolvidas e completamente revoltado com a vida depois que descobriu que seus pais já haviam assinado sua fragmentação e não tinham contado nada. Ele tinha uma namorada, Ariana, que disse que iria fugir com ele, mas na última hora não foi. Isso é apenas mais um fato que contribui para a sua revolta. O que deu errado? O que ele fez de errado? Porque seus pais fizeram isso com ele?
Porém, mesmo em meio a tantas lutas e tanto sofrimento, ele descobre a sua força interior e acaba fazendo a diferença na vida de muitos outros jovens perdidos.

Risa é outro caso. Ela cresceu já sabendo que seus pais não a queriam. Aprendeu a sobreviver da melhor maneira dentro da Casa Estadual. Estudou muito para se tornar uma boa pianista, mas não conseguiu. Ela é a mais pé no chão dos três, muito inteligente, esforçada. Eu já sabia desde o início que o destino dela não poderia ser aquele.

Lev é diferente. O que você poderia esperar de um menino que foi criado para ser sacrificado? Exatamente, nada. Ele aprendeu que esse era seu caminho, se conformou, aceitou e passou até a esperar por esse dia. Para mim, ele sempre foi o ponto de interrogação. Desde o início eu já imaginei que a sua personalidade seria aquela que daria a maior reviravolta. Acertei em cheio. Não tinha como ser diferente. Todo o processo de entender o mundo como ele é, ver a verdadeira crueldade por trás do milagre que ensinaram a ele e se revoltar por toda sua vida pregressa, é algo bem perturbador.
“Concordou em ir com ele porque sabia que um supria uma necessidade do outro. CyFi era como um pastor sem rebanho: não podia viver sem uma plateia. E Lev precisava de alguém que pudesse encher sua cabeça de ideias, para substituir a vida inteira de ideias que havia sido roubada dele.”
O livro é dividido em sete partes, que representam as fases passadas pelos nossos protagonistas.

A história dá muitas voltas, a trajetória deles é bem intensa e bem diferente do que eu imaginava. Eu defino este livro como tenso, na maior parte do tempo. Definitivamente é uma distopia pura, cheia de tensão, injustiça... Mas tem aventura também. Eles passam por muita coisa até o final.

Já dá para ter uma boa noção da história né? Mas tenham certeza que não define nem 30% do livro, eles realmente passam por muuuuita coisa, muitos lugares, muitas pessoas.

E porque eu dei 3 estrelas? 

Eu comecei o livro bastante empolgada. A história me surpreendeu MUITO no início. A fuga e o encontro dos três foi bem legal. Sabe aquela sensação da montanha russa subindo? Que você fica animado, na expectativa de chegar lá em cima e começar a aventura? Eu me senti assim nas primeiras partes. Realmente é um início bem empolgante.

Mas, de alguma forma, o autor perdeu alguma coisa pelo caminho. Eles passam por muitos lugares, conhecem muitas pessoas, descobrem muitas coisas. Tudo muito, muito, muito. Se fosse mais simples poderia ser bem mais legal. Acho que foi tudo muito tenso. A ideia que o autor teve para o desfecho foi interessante, porém, na minha opinião, mal aproveitada. Acabou tendo muito drama quando poderia ter mais aventura.

Essa é uma opinião completamente pessoal. Pela minha experiência com livros de aventura distópica e até pela quantidade de livros que eu já li. Porque a maioria das opiniões que eu li eram super favoráveis, vi pouquíssimas notas abaixo de 4 tanto no Goodreads quanto no Skoob. Então, hey! MY opinion, rs.

Tanto que eu nem fui correndo ler o próximo livro, rs. Eu pesquisei e vi que é uma série, já finalizada nos EUA, com quatro livros publicados. Não sei quando a Novo Conceito publicará o próximo. Talvez a série melhore, tomara! Porque a premissa é muito boa e tem muito material para construir uma série fantástica, talvez um dia eu leia, rs.

É isso, leiam e tirem suas próprias conclusões :)
“— Você entende, não é?
Risa não quer ouvir mais nada, e então ela os cala ao dizer o que eles mesmos não têm coragem de declarar:
— Eu vou ser fragmentada?
Silêncio. É uma resposta mais clara do que se eles tivessem dito “sim”.
A assistente social estende a mão para tocar a de Risa, mas a garota se afasta antes que ela consiga.
— Tudo bem ficar assustada. Toda mudança é assustadora.
— Mudança? — grita Risa. — Como assim, “mudança”? Morrer é um pouquinho mais do que uma “mudança”.”
 






Compartilhe!

25 comentários :

  1. Ola Luiza eu particularmente ainda não li o livro devido as continuações. Amo distopias o tema do livro desfragmentar o filho ( o que também me choca) com certeza chamou a atenção do leitor, vou esperar os demais livros para ler, uma pena o autor se perder na trama. beijos

    Joyce
    www.livrosencantos.com

    ResponderExcluir
  2. Olá... tudo bem??
    Caramba... amei a sua resenha, mesmo que a leitura não tenha sido tudo aquilo que você esperava... bom eu já fui ao contrário... eu fiquei me sentindo um pouco parada no inicio da leitura... não sei.. li tantas resenhas sobre o livro... que pensei e criei altas expectativas por ele... claro que eu não me decepcionei com a leitura, eu realmente gostei da pura distopia que vi aqui e tamanha a crueldade do ser humano, mas ai tenho parado pra pensar o que os levou a isso, porque um pai ou uma mãe daria o próprio filho para a fragmentação como se fosse uma sacola de mercado que você dá pra alguém... eu fiquei chocada com isso... os personagens principais... gostei dos três... cada um com a sua particularidade... com sua forma de pensar, mas os três em busca de sobrevivência, mas sem dúvida que Lev se sobresaiu por causa da vida que ele levou e acreditou e no fim não era tudo aquilo e a busca de auto conhecimento foi constante e o personagem cresceu muito... eu não achei que o autor se perdeu na narrativa, como você mesma disse é questão de opinião mesmo... eu não me decepcionei e não me frustrei, mas sei lá esperava algo mais... xero!!!!

    http://minhasescriturasdih.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Olá, Luiza.
    Diferente você, eu amei esse livro inteiro. Não achei que se perdeu no meio do caminho não e estou louca para ler o próximo. Esse livro me fez sentir de tudo um pouco, principalmente desespero e agonia na cena da desfragmentação.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  4. Sério que são quatro???? eu percebi, pelo final, que teria continuação, mas tantas???? adoro isso....

    Já li esse livro e já li algumas resenhas dele, mas nossa...nunca tinha lido uma resenha tão maravilhosa e completa como a tua!!! Parabéns, está ótima!!!

    Mas concordo contigo é um livro tenso né...aborto retroativo é algo inconcebível na minha mente, nada justifica! Ao meu ver, em se tratando de tema foi um livro completamente inovador, diferente!!! Apesar de todo o enredo maluco, eu gostei!!!

    de Novo, parabéns pela resenha!!!

    bjs

    Eu Pratico Livroterapia




    ResponderExcluir
  5. Oi, Luiza!
    Eu queria muito começar a ler esse livro, mas, quando descobri que são 4 livros, desisti. Não acho que o autor tem história e desenvolvimento pra quatro livros.
    Tenso demais essa história da fragmentação. Não sei o que faria se isso acontecesse comigo.
    Em distopias, me ponho muito no lugar dos personagens porque, se pararmos pra pensar, isso pode chegar a acontecer com nosso mundo.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  6. Oi Luiza, tudo bem?
    Então, eu li esse livro esse ano depois de ver o BT e a capa...
    Não me arrependi, dei 5 estrelas achei maravilhoso, eu achei bastante informação no livro, mas convivi na boa com elas, não afetou minha leitura, estou bem ansiosa para saber como vai continuar.
    Parabéns pela sinceridade da sua resenha.
    Beijos.

    Giuliana

    ResponderExcluir
  7. Olá!
    Essa história é meio chocante. Como eu posso pensar em dar meu filho para fragmentar, ser mutilado. Eu quando li ao mesmo tempo que fiquei chocada eu amei a história, por que é muito inovadora e bem construída.
    Espero que a continuação seja lançada logo.
    Beijinhos!
    http://eraumavezolivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Ola´´a
    Poxa, que pena que o autor deu uma escapada e tal, parece ser uma leitura legal para qeum curte o gênero, espero que você goste das próximas leituras quando forem lançadas haha sua resenha está ótima

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Olá!
    Um dos motivos para eu não ler esse livro mesmo que a maioria das pessoas falem maravilhas (nota maior que 4 no Goodreads até como você falou) é eu não conseguir aceitar a lógica dessa história. Não consigo imaginar que por mais rebelde e insuportável que o filho seja os pais irão deixar fragmenta-lo, pior, querer isso para ele, muito menos que poderiam pensar que o filho iria entender! Só em uma sociedade mais alienada que a da Capital! E você mencionou ali que parece que se perdeu algo e que passou por vários lugares e conheceu várias pessoas, isso geralmente causa uma impressão de enrolação no leitor, e as vezes é mesmo.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  10. Oiiie,

    ´Já vi resenhas desse livro, mas sabe, não gostei, não credito que os pais são capazes de deixar que o filho seja fragmentado, isso é inaceitável, acho que se eu fosse lê-lo iria mais brigar com o livro do que lê-lo direito rs

    Beeijos

    Amantes da Leitura


    ResponderExcluir
  11. Nossa... Primeiro que eu só tinha visto imagens do livro e não tinha lido nem a sinopse direito, então não fazia ideia do assunto que essa distopia traria. Cruel... extremamente cruel.
    Não sou a maior fã de distopias e durante a leitura da resenha estava ficando curiosa e pensando em ler, mas saber que o final não foi bem aproveitado e que ainda terá mais tres livros depois desse me desanimou um pouquinho. Por enquanto fico com um "quem sabe eu leia"...

    Beijinhos,
    Lica
    Amores e Livros

    ResponderExcluir
  12. Olá,

    Ainda não li o livro, mas um amiga blogueira leu e me fez querer ler também. Mas, este ano li muitas distópias, e precisei de uma pausa. Ano que vem tentarei ler. É uma pena você não ter gostado, porque pelo o que a Bia falou a estória é fantástica, mas como você falou essa é a sua opinião, e eu a aceito hahaha. Nem todo mundo vai gostar ou não gostar de um livro do mesmo jeito.

    Beijos,
    entreoculoselivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Pois é... não tem como a gente não se chocar com uma coisa dessas... os pais entregando o próprio filho para ser fragmentado, dividido em um número enorme de pedacinhos. Também adorei a narrativa alternada e a "participação especial" de alguns narradores. Acho que gostei do livro bem mais do que você, não achei nada em excesso não, e achei o final no mínimo extremamente irônico. Quero muito ler o restante da série!

    Beijo!

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
  14. Oi Lu,

    Este livro parece ser incrível. Personagens que não aceitam seu destino e que vão lutar para mudá-lo são os meus preferidos. Gosto da capa e da frase: "só porque a lei diz, não significa que é verdade".

    Beijos
    Juci Pauda
    jusemfrescura.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  15. Desde que eu assisti o book trailer de Fragmentados fiquei interessada pelo livro, parece ser meio chocante, e é impactante a maneira como eles abordam o aborto.
    Sua resenha está muito boa e pretendo ler Fragmentados em breve.

    ResponderExcluir
  16. Oiii!

    Eu ainda não li esse livro, eu descobri que distopia não funciona taõ bem assim comigo. Acho que esse é o mais comentado e original que vi até o momento, porem, sua resenha foi a unica que disse que ele se perdeu no meio do enredo. Que triste >< Eu não gosto quando isso acontece.
    Sua resenha está ótima!


    Beijinhos,
    www.entrechocolatesemusicas.com

    ResponderExcluir
  17. Oiii!!Já li outras resenhas sobre esse livro e estava louca para ler, mas a sua resenha me desanimou um pouco, pois o começo parece ser bem emocionante mas acaba ficando muito tenso e não gosto muito de livros assim.
    Bjoss

    ResponderExcluir
  18. Tenho muita vontade de ler esse livro, o book trailer é muito bom e dá uma curiosidade danada! USHHSUHU que pena que você não gostou muito :/ mas ainda tenho uma curiosidade... a sinopse tbm é muito instigante D:

    ResponderExcluir
  19. Oie, adorei sua resenha. Você apresentou o melhor do livro e então deu a sua opinião, apesar de não ter gostado. Já vi muito sobre o livro em blogs e estou realmente interessada em tentar a leitura e espero gostar da história.

    Beijos, Miih e o Mundo Literário

    ResponderExcluir
  20. Olá.
    Tudo bom?
    Assim como.você acho que o autor se perdeu muito na história que tinha tudo para ser ótima.
    Eu tentei ler ele todo por várias vezes, mas desisti por acha-lo sem pé nem cabeça.
    Beijos

    ResponderExcluir
  21. Olá!

    Já perdi a conta de quantas resenhas li dele, o que só me deu mais vontade de ler, por causa das diversas opiniões sobre ele. É uma distopia que promete! E sim, muita gente compartilha da sua opinião.

    resenhaeoutrascoisas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  22. Oi Luiza, sua linda, tudo bem
    Assim que vi o lançamento desse livro fiquei chocada com o enredo e toda arrepiada quando vi o vídeo. Já li várias resenhas que novamente me deixaram arrepiada e com o coração na mão e com a sua não foi diferente. Engraçado, também tive essa impressão sobre o Lev, achei que seria o personagem mais interessante de todos, e olha que não li o livro ainda. Apesar de você não ter gostado tanto, esse livro está no topo da minha lista de desejados e não vejo a hora de ler. Adorei sua resenha, muito bem escrita e argumentada!!!!!!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  23. OIe. Olha, eu amei demais este livro por ser parecido com Starters, que é um livro que eu amo demais. Mas também é uma subida e descida de montanha russa como você disse. Para mim não faltou nada na história do autor e confesso que a parte em que há a fragmentação até me senti bem mal imaginando tudo aquilo. Mas realmente não leio muitas distopias. Espero que realmente tenha continuação por aqui.

    Beijos,

    Greice Negrini

    Blogando Livros
    www.amigasemulheres.com

    ResponderExcluir
  24. Oie
    Eu estava super empolgada pra ler esse livro mas depois que ele chegou toda essa empolgação meio que passou,eu ainda quero o ler mas não achei o momento certo.E eu me surpreendi por sua nota baixa kkk.Parece que todo mundo tem gostado dele.Não sei se isso do escritor adicionar tantos acontecimentos no livro vai ser um ponto negativo pra mim ou não,mas espero que não.E essa história de fragmentação é mesmo absurda,estou louca pra saber o final e se esses três adolescentes vão conseguir ou não escapar dessa.

    ResponderExcluir
  25. Sabe eu tenho curiosidade ler esse livro sim, eu gostei do enredo, tem uma historia que ao meu ver pode ser uma ótima leitura. Foi uma pena que o autor pareceu meio que se perder no meio do livro e gente como assim são quatro livros ? Tem muita história vindo ai então né. Vou aguardar o segundo livro pra saber como vai ser o desenrolar da história, ai eu decido se vou ler o livro.

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei