[Resenha]Proposta Inconveniente - Meg Cabot

Proposta InconvenienteMeg Cabot

Proposta Inconveniente - Apaixonada pelo capitão Connor Drake, Payton sonha em ser capitã de seu próprio navio. Ela cresceu desejando essa profissão exclusivamente masculina, mas agora deve abdicar disso tudon para conseguir um bom marido. O problema é que Connor só percebe seus sentimentos por Payton na véspera de seu casamento com outra. Quando o barco dos noivos parte rumo às Bahamas, ele é atacado e resta a Payton se infiltrar num navio pirata para salvar a vida do seu amado. A coragem une os dois, e o resgate pode gerar mais frutos do que ela imaginou.


Continuando nossa maratona de Romances HistóricosABRIL – COMPRANDO O LIVRO PELA CAPA

Sabe aquele momento em que você entra na livraria e aquela capa bonita chama sua atenção? Sei, você nem precisa de mais um livro, afinal tem ainda vários que ainda não leu, mas a atração é irresistível, e o que você faz?

Compra!!!

E, depois descobrir que a história é tão boa quanto é capa é linda, como o livro de Patricia Cabot, “Proposta Inconveniente”, realmente vale a pena essa bela aquisição para a estante! Eu, confesso, não resisti, principalmente porque me rendeu uma das leituras mais agradáveis que tive esse ano, que é a resenha do mês de abril, cujo tema é “Comprando o livro pela capa”.



É um romance de época, ambientado na Inglaterra em 1830, que conta a história de uma atípica mocinha: Payton. Pertencente a uma família cujo campo de negócios é a navegação comercial. Órfã de mãe assim que nasceu, foi criada pelos três irmãos, que tiverem forte influência na sua criação. Ou seja, longe de companhia fermina, teve uma educação incomum: cresceu em navios, veste-se de forma masculina, não tem as atitudes típicas de uma dama. Não é à toa que, prestes a completar dezenove anos, com espírito tão indomável e aventureiro, pensa em comandar seu próprio navio, algo considerado impróprio para uma mulher. Mas, há algo a mais que Payton anseia: o capitão Connor Drake, amigo de longa data de sua família, o homem que despertou fortes sentimentos nele, desde muito cedo. Porém, ele está prestes a se casar...

Connor Drake, muito cedo, aprendeu a criar seu próprio espaço no mundo. Saiu de uma casa onde não se sentia bem vindo e foi encontrar seu destino na navegação, onde, mais tarde, conheceu a família de Payton e formou sólidos laços de amizade, juntamente com a liberdade que o mar lhe proporcionava. Com a morte do irmão mais velho, é obrigado a voltar a seu lar e assumir o título da família e, com isso, pelo dever, é obrigado a se comprometer em casamento, justamente quando Payton, a garota que ele via somente como uma amiga, passa a revelar que, por baixo das roupas masculinas, existe uma mulher completamente feminina e apaixonante. Mas, mesmo que ela representasse uma tentação tão grande, ele devia resistir a ela.

"Era uma febre. Drake não sabia mais o que poderia ser. Ele já contraíra inúmeras doenças nas viagens ao redor do mundo, algumas que quase o mataram mais de uma vez. Porém, esta não era como nenhuma outra. Era uma febre que queimava lentamente e parecia ficar mais forte toda vez que Payton Dixon estava em seu ângulo de visão. Não havia explicação. Nenhum médico no mundo poderia diagnosticar sua natureza exata, menos ainda prescrever uma cura. Ele só podia sofrer..."

Quando Payton vê o homem que ama em meio a uma trama que o coloca em perigo, ela não hesita em nenhum momento em se expor e arriscar sua vida para salvá-lo, mesmo que isso signifique enfrentar o ataque de um feroz pirata que busca a vingança e de um desonesto concorrente do ramo naval, que conspira por mais poder e matar Connon Drake da forma mais dolorosa. Mesmo em meio ao perigo enfrentado, ambos têm a oportunidade de extravasar e explorar a paixão que ambos sentem um pelo outro.

Talvez tenha notado sim, e por isso mesmo, apesar de tudo, nunca tenha permitido que ele a afastasse totalmente, por mais que tentasse. Payton era tão vital para ele como o alimento e o ar. Drake não queria admitir, isso era óbvio. Mas também era óbvio pelo modo como a beijava que não podia viver sem ela.

De forma geral, o livro apresenta uma narração bem fluída, gostosa de ler. A história não fica concentrada somente no romance do casal principal, as diversas situações que são apresentadas ao longo dela deixa o livro bem dinâmico. A personalidade de Payton, seu humor e espiritualidade é o que dá o toque principal ao livro. A autora construiu uma heroína em todos os sentidos da palavra: forte, corajosa, destemida.

Connor, apesar de ser apresentado como um temível capitão de navio, chega a ser uma figura secundária devido ao destaque que Payton ganha no livro, mas não perde, claro, seu papel de protagonista. As cenas dos dois, sozinhos, esquentam bastante o romance, para quem curte uma boa dose de sensualidade nos livros.

            Entrou na minha lista de romances favoritos!


 
 

16 comentários:

  1. Eu gosto bastante da autora.. seus livros em geral são todos ótimos..
    e eu sou apaixonada por romances.. a protagonista é uma mulher forte e de certa
    forma foge do comum esperado para a época.. o que faz com que esse livro seja uma gostosura de ler..

    Mesmo que ele fosse muito ruim.. ainda sim teria valido apena comprar por essa capa lindíssima...

    ResponderExcluir
  2. esse tá na lista infinita.
    alias, faz pelo menos uns 5 meses que não leio nada histórico.
    preciso corrigir isso imediatamente, e depois dessa resenha fofa, acho q vou começar por esse livro! :D

    ResponderExcluir
  3. Eu vi você a e Carol falando sobre esse livro e já estava na lista infinita!
    eu amo esses tipos de livros, quem sabe ele não pula para o começo da lista!

    =)

    ResponderExcluir
  4. Meninas, realmente vale a pena ler essa história. Amei a Payton, ela é uma personagem única! Esse merece furar a fila!

    ResponderExcluir
  5. Nunca li romance histórico e não sei por onde começar, e essa é a primeira resenha de romances históricos que apareceu uma mulher bem "diva" na minha opinião, pois ela é toda mulher macho mas é feminina ainda.

    Eu fico meio perdida, Patricia Cabot é irmã ou pseudônimo da Meg?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Giovana, é a mesma pessoa. Esqueci de mencionar que é um pseudônimo da Meg. Se ainda não leu romances de época, comece por esse, então! Não vai se arrepender, a história foi bem escrita! Quem sabe você não se apaixona pelo gênero e vira uma fã?

      Excluir
  6. Oie Luci,
    Eu compraria só pela capa também, ela e tão linda! Gosto muito desses livros que tenham romance de época, amores proibidos, mas ainda não tinha lido nenhum assim que tenha piratas envolvidos, e acho que foi isso que me atiçou mais ainda a querer ele, parece ser leve e tenso ao mesmo tempo, ta ai, gostei! Gostei também de saber que a personagem e forte e destemida, gosto disso na historia e não aquelas moça indefesas de sempre (rs).
    Enfim, adorei a resenha ^^
    Beijos da Bru
    Visite: Cantinho da Bruna || Top Comentarista de Maio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bruna, Payton, como eu falei, é uma heroína em todos os sentidos! Nada de fazer o papel de donzela, esperando o amado vir resolver e salvá-la! Ela quem faz tudo! rsrsrs! Ela é ótima!

      Excluir
    2. Adorei! Assim é que é bom haha agora que quero ler mesmo ç.ç

      Excluir
  7. Amo romances de época, faz tempo que não leio um kk estou necessitada. Esse parece ser um livro ótimo, quando li o nome da autora lembrei imediatamente da Meg Cabot, se os livros dela forem tão bons quanto os da Meg eu vou amaaaaaaar, será que elas são parentes?
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então, Lorena, Patricia é o pseudônimo da Meg... Leia que você vai amar, sim!

      Excluir
  8. Ir na livraria e interessar-se por um livro apenas pela capa é algo incrível, pena que nem sempre tenho o dinheiro para comprar aquele tal livro hahahah Confesso que nunca li romance de época, pois sempre tive o receio de não me agradar. Mas com esse livro foi diferente, pois vi que nele contém uma menina que, por conviver com homens, tem hábitos masculinos. Isso me pareceu bem diferente. Além disso, gostei de saber que o livro não é focado apenas no casal principal, e sim em várias situações que acontecem na história!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Luis, isso que foi bacana no livro! De fato, nem sempre podemos comprar de imediato o livro que nos faz apaixonar pela capa, mas sempre dá pra ir paquerando, até conseguir, rsrsrs! Eu faço assim!

      Excluir
  9. Oie, Luci.
    Amo romances históricos.
    E esse com certeza está na lista tanto pela história linda como o fato de eu ser louca para ler algo da Meg Cabot.
    E quem nunca comprou um livro pela capa, né? Eu já e vários!

    Lisossomos

    ResponderExcluir
  10. Mas oq!!! nao sabia q a Patricia Cabot era um pseudônimo da autora, jurava que era filha dela kkkkk Eu confesso que li Diario da princesa e nao gostei :( acabei nao lendo mais nada da autora, achando que tbm nao gostaria. Mas gostei desse, vou ver se dou uma chance.

    ResponderExcluir
  11. Meg (ou Patrícia) Cabot é queridinha por muitas blogueiras e vlogueiras que sigo, mas eu ainda não li nada dela. Adorei a premissa deste livro, adoro romances épicos e o livro já me ganhou por aí; a capa é realmente linda e romances são perfeitos quando possuem uma leitura leve, fácil de fazer. Já foi para a minha lista de querências. Tanta gente fala bem da autora. Acho que está na hora de começar a ler suas obras.

    ^^

    ResponderExcluir

Laura Lendo...

Lud Lendo...

Luiza Lendo...