06 fevereiro 2015

[Resenha] As Sete Irmãs

Título: As Sete Irmãs
Autora: Lucinda Riley
Série: As Sete Irmãs #1
Páginas: 560


Meus dedos tocaram a selenita em meu colar. Tudo o que podia imaginar era que ele foi mandando comigo, como uma espécie de recordação, talvez por minha mãe, quando Pa Salt me adotou. Ele dissera, quando me deu o presente, que havia uma história interessante pode trás daquela joia... Ele esperava que eu perguntasse. E eu desejava com todo o coração, naquele momento, ter perguntado. Agora que Maia e suas irmãs perderam o pai, cada uma delas tem em suas mãos a decisão de buscar ou não a verdade sobre sua família biológica. Maia não resiste ao chamado do passado e é atraída até o Rio de Janeiro, onde, auxiliada pelo escritor Floriano, irá mergulhar em uma história quase centenária. Nos anos 20, uma paixão devastadora entre uma aristocrata brasileira e um escultor francês é sufocada pelas convenções sociais. Uma pequena placa de pedra-sabão eternizou o amor de Izabela e Laurent, selando o destino de Maia. A escritora best-seller Lucinda Riley mergulhou na cultura e na história do nosso país para conhecer de perto os mitos e verdades sobre a construção de um dos mais emblemáticos monumentos à nossa fé: o Cristo Redentor. O resultado dessa experiência é uma trama surpreendente e sensual, recheada de elementos exóticos. A partir do momento em que, junto com Maia, aterrissamos no Rio de Janeiro, não vamos nos separar dela enquanto não decifrarmos os segredos de seu passado. E esse é apenas o começo da viagem. 




 Gente, juro que eu achei que estava lendo um livro de uma autora brasileira. Juro. Até pesquisei mais uma vez depois para ter certeza. Lucinda Riley é mais brasileira que eu. Muito chocante. A escrita dela, a forma de apelidar todos os personagens, até o jeito que ela escreve... É muito brasileira. Ela deve ter nascido na Irlanda por acidente.

As Sete Irmãs tem origem na mitologia grega, que eu amo de paixão. São conhecidas como as irmãs Pleiades, cada uma tem sua própria personalidade e seus próprios talentos. Nesse site vocês poderão saber um pouco mais do mito, se assim desejarem. Essa definição: "As irmãs que choram", me chamou a atenção, e eu gostei da história, espero que gostem do site (embora tenha um ou dois errinhos de digitação...).

O livro se dá início com a morte de Papa Salt, assim apelidado por suas filhas. Papa Salt adotou cada uma delas, ainda bebês e deu para cada uma o nome de uma das irmãs Pleiades. Porém, ele nunca conseguiu achar a que deveria ser a sétima irmã: Merope.

Temos então: Maia, Alcyone (Ally), Asterope (Star), Celeano (Cece), Taygete (Tiggy) e Electra.
Papa Salt era um homem muito misterioso e reservado. Nenhuma delas tinha conhecimento de como ele havia acumulado sua fortuna ou o porquê de te-las adotado.


Maia, por favor, mesmo que você não acredite em nada, tente entender que o luto é pelas pessoas que ficam. Por nós. Todos lamentamos por nós mesmos e pela nossa perda. E você não deve se sentir culpada por isso.


A morte dele é um choque para a família e as irmãs, cada uma recebe a notícia com um impacto diferente, já que cada uma tem uma personalidade distinta. Electra tem uma explosão de temperamento como sempre, um rio de lágrimas seguido por uma fúria impotente. Ally arrasada, porém, sempre centrada e controlada. Tiggy com insegurança encoberta por uma grande frieza. Cece devastada e desnorteada, sempre se escondendo por trás de Tiggy, Star tentando entender e aceitar que seu pai seguiu adiante, para um plano superior e Maia a mais velha e mais apegada ao pai tentando consolar a todas enquanto esconde o quão abalada está.


Para ser honesta, Electra, não acredito que você, algum dia, possa colocar um "ponto final" em sentir falta de alguém que amou.


Chegada a leitura do testamento as irmãs descobrem que seu pai lhes dera um presente final. Ele deu a cada uma as coordenadas de onde vieram para que cada uma pudesse descobrir e entender sua própria história.


As pessoas a quem você ama são insubstituíveis, Maia. Lembre-se disso, certo?


Maia surpreendentemente descobre que nasceu na intitulada "cidade maravilhosa" (bem vinda irmã!) e depois de receber um telefonema de alguém do passado que pensou que nunca mais teria que enfrentar novamente, ela resolve vir ao Brasil e descobrir as suas origens.
É na verdade algo engraçado, uma verdadeira contradição, uma vez que ela vem ao Brasil para fugir, e no entanto acaba se encontrando no processo.


A arte deve ser exibida para todos - ele dizia. - É um presente do artista para a alma. Qualquer coisa que precise ficar escondida dos olhos não tem valor.


Achei uma leitura muito boa, ao estilo brasileiro e até me identifiquei em uma parte onde ela pega um táxi e o taxista pergunta se ela já foi ao Cristo e ela diz que não. Ele fala então, que ela é uma autêntica Carioca, porque somos os únicos que vivem na cidade onde tem uma das sete maravilhas do mundo e passamos anos sem nos importar em vê-la, porque para nós é algo banal, comum.
E realmente, claro que tem muito carioca que já foi no Cristo, mas eu sou uma que nunca foi kkk.
O livro também traz algumas curiosidades sobre a construção do Cristo tais como: o mestre de obras Heitor Levy era judeu quando começou o trabalho. Ao final da obra, se converteu ao cristianismo. Levy escreveu o nome de todos os membros de sua família e os colocou no coração antes que fosse lacrado com concreto dentro da estátua.




Vale a pena dar uma conferida. Para quem é fã de mitologia grega como eu, pode ser uma leitura bem interessante, ainda mais com uma quase brasileira narrando.
Beijos!






Compartilhe!

15 comentários :

  1. Quando comecei a ler a sinopse eu pensei que a autora fosse brasileira...kkkk Imagina a surpresa de saber que ela era itlandesa...
    Sobre o livro, acho que a história tem um bom potencial e o que é mais importante, nos mostra uma visão da Cidade Maravilhosa que muitos não conhecem.
    Saber essas curiosidades sobre a construção do cristo foi bem legal. 😊


    http://ventoliterario.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Nathalia!
      E não é?! kk
      Bem, foi muito legal ver uma autora estrangeira falando da minha cidade e, falando BEM, o que é ainda mais "raro" xD
      Ps.: Adorei o blog (amo novelas mexicanas e amo mais ainda o Fer! *-* kk')
      Beijos!

      Excluir
  2. confesso que esse livro nunca me atraiu. nem sinopse nem capa.
    e também nunca tinha lido resenha alguma dele..

    gostei!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Nath xD
      Que bom que gostou. Eu o descobri em um evento da NC. Fiquei com vontade de ler assim que falaram dele *-*
      Bjs.

      Excluir
  3. Oi, Amanda.

    Eu fiquei sabendo desse livro na Bienal de SP, mas eu não fiquei muito interessada na leitura. Apesar de ler várias resenhas positivas eu ainda não fiquei com vontade de ler o livro. Acho muito bacana a autora retratar o Brasil em seu livro e você até achar que ela era brasileira. Vai mostrando nosso país para as outras pessoas.

    Beijos.
    Visite: Paradise Books BR // Sorteio de Carnaval

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, vai muito do gosto também. Eu estava numa época de mitologia. Hoje mesmo talvez não lesse, porque estou mais numa fase sobrenatural/ação/sangue. É bom variar a rotina de vez em quando :D
      Beijos!

      Excluir
  4. Não consegui ainda ler essa série. Mas espero conseguir logo. Vejo muita gente falando bem deles e principalmente desse. Isso me deixa mais louquinha por ler. Adoro os romances da autora. São perfeitos. E pelo que estou vendo esse está demais.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Beth.
      Vale a pena dar uma conferida. É um livro bem legal, especialmente por abordar a mitologia e falar um pouco sobre os nossos costumes e nossa história!
      Beijos.

      Excluir
  5. Oi Amanda.

    Confesso que a primeira impressão que tive do livro é que ele seria bem chato, mas depois de algumas resenhas acabei mudando de idéia. Não sou fã de mitologia grega, mas o fato do livro se passar no Rio de Janeiro chama bastante atenção. Esou curiosa pra conhecer a narrativa da Lucinda, dizem que é muito boa.

    Beijos.
    http://passeandocomoslivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De fato. Achei bem surpreendente a escrita dela - acho que se alguma vez falasse com ela, uma das minhas primeiras perguntas se ela tem certeza absoluta que não é brasileira kkk.
      Ps.: Seu blog é lindo!
      Bjs!

      Excluir
  6. kkkkkkk eu to rindo da sua introdução (Ela deve ter nascido na Irlanda por acidente) rs Já me interessei quando li que você escreveu mitologia grega,adorei a premissa <3 Em breve lerei. Ótima resenha.
    Beijos

    Cantinho da Bruna | @cantinhodabruna

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kkkkkkkk
      Que bom que gostou e obrigada *-*
      Espero que lembre de dar uma passada aqui pra dizer o que achou, depois que ler!
      Ps.: Bruna, eu adorei o seu cantinho (estou seguindo!) D: *-*
      Beijos!

      Excluir
  7. Gosto de mitologia e quando vi essa capa já me interessei. Ainda não conhecia este livro, mesmo sendo de um assunto que tanto gosto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Giovanna.
      Espero que possa ler logo e me dizer o que achou! *-*
      Bjo!

      Excluir
  8. Gente, só para avisar o kit desse livro (DVD + livro) está na amazon por R$ 10. Assim como outros kit's :)

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei