15 setembro 2014

[Resenha] Proibido

Proibido
Tabitha Suzuma
Editora Valentina, 2014
302 páginas

Skoob | Autora | Resenha 01 | Valentina Compre


Ela é doce, sensível e extremamente sofrida: tem dezesseis anos, mas a maturidade de uma mulher marcada pelas provações e privações da pobreza, o pulso forte e a têmpera de quem cria os irmãos menores como filhos há anos, e só uma pessoa conhece a mágoa e a abnegação que se escondem por trás de seus tristes olhos azuis. Ele é brilhante, generoso e altamente responsável: tem dezessete anos, mas a fibra e o senso de dever de um pai de família, lutando contra tudo e contra todos para mantê-la unida, e só uma pessoa conhece a grandeza e a força de caráter que se escondem por trás daqueles intensos olhos verdes. Eles são irmão e irmã. Mas será que o mundo receberá de braços abertos aqueles que ousaram violar um de seus mais arraigados tabus? E você, receberia? Com extrema sutileza psicológica e sensibilidade poética, cenas de inesquecível beleza visual e diálogos de porte dramatúrgico, Suzuma tece uma tapeçaria visceralmente humana, fazendo pouco a pouco aflorar dos fios simples do quotidiano um assombroso mito eterno em toda a sua riqueza, mistério e profundidade.


“Juntos, não fazemos mal a ninguém; separados, nós definhamos,"

Acabei de ler o livro, e nenhuma outra palavra me define além de desespero! 
Eu sou chorona, mas com Proibido eu chorei ao ponto de soluçar e ficar sem ar por um momento.
Todos sempre me disseram que esse livro era desesperador, mas eu nunca li mais do que isso, evitei ler resenhas ou qualquer outra coisa, sem duvida foi a melhor coisa que fiz, por isso vou tentar contar o mínimo possível da historia, e me concentrar no que eu senti ao lê-lo. 

Na família Whitely nós temos um pai inexistente, uma mãe que abandonou os filhos e foi viver a própria vida, aparece apenas para pagar algumas poucas contas, e 5 crianças: Lochan com quase 18 anos, Maya com 16, apenas 13 meses a menos que Lochan, Kit de 13 anos, Tiffin de 7 anos se não me engano, e Willa de apenas 5 anos. Lochan e Maya são os verdadeiros responsáveis pela família, eles que cuidam da comida, da escola, da educação das crianças… Eles são os pais dos seus irmãos, apesar de dividirem as responsabilidades, o Lochan tenta sempre assumir a maior parte delas para que a Maya possa aproveitar a própria vida, mas para ela, cuidar dos irmãos não é deixar de viver a vida. Mas esse é Lochan, abnegado, sempre colocando os irmãos em primeiro lugar, toda a sua vida gira em torno do bem estar dos irmãos, é a sua prioridade. Ele vive com o peso dessa responsabilidade nos ombros. 
Cada personagem tem as suas nuances, e são tão bem descritos, cada pedaço deles faz sentido.

“Ela está de camisola novamente - a camisola branca que ficou pequena demais e mal chega às coxas. Como eu gostaria que ela não se virasse quando usa esse troço; como gostaria que seus cabelos cor de cobre não fossem tão longos e brilhantes; como gostaria que não tivesse esses olhos, que não fosse entrando assim, sem ser convidada. Como gostaria que vê-la não me deixasse nessa inquietação, revirando minhas entranhas, retesando cada músculo do meu corpo, fazendo meu pulso acelerar."

A relação entre os irmão é a coisa mais linda do livro, como eles mantém essa frágil relação, Lochan e Maya são os irmãos mais velhos, mas também são educadores, é uma ambiguidade, mas que é muito bem desenvolvida, funciona para eles na maior parte do tempo.

“Ele sempre foi tão mais do que apenas um irmão. Ele à minha alma gêmea, meu oxigênio, a razão pela qual espero com ansiedade pelo momento de acordar todos os dias. Sempre soube que o amava mais do que qualquer pessoa no mundo - e não apenas de um jeito fraternal, como me sinto em relação a Kit e Tiffin. Mesmo assim, nunca me passou pela cabeça que pudesse haver um passo a mais…”

Mas e quando a pessoa que divide o peso do mundo com você, a sua alma gêmea, aquela pessoa que no meio de sete bilhões de pessoas é a única que dá sentido à vida, o que acontece quando essa pessoa é sua irmã? Não importa que juntos eles sejam responsáveis por uma família, eles ainda são irmãos, e isso é errado, é nojento, é um crime, incesto, mesmo que consensual é crime punível com prisão.

O amor entre Lochie e Maya é puro, é inocente, evolui aos poucos, nós acompanhamos cada momento da relação deles, cada luta, e a cada passo meu preconceito foi diminuindo, até o ponto em que não consegui entender o por que deles não poderem ficar juntos. Sugiro que façam o mesmo, abandonem um pouco o preconceito e tentem ler Proibido, por ser uma narrativa alternada entre os personagens nós podemos ver o quanto eles tentam lutar contra o que sentem, contra as duvidas que surgem a cada minuto, e contra o próprio preconceito. É um livro muito bem escrito...


“Eu nunca vi você como um irmão. Você sempre foi meu melhor amigo, minha alma gêmea, e agora eu me apaixonei por você também. Por que isso é um crime? Quero poder te abraçar, te beijar e… fazer todas as coisas que os apaixonados têm o direito de fazer. - Respira fundo. - Quero passar o resto da minha vida com você."

Na metade do livro meu coração foi preso… Preso na leitura, preso pela angustia… o sofrimento que Lochan e Maya passam me deixou sem ar, assim como Maya, em um momento eu me vi sem prestar atenção ao mundo exterior, as coisas passavam sem sentido, as pessoas falavam para o vento, por que eu estava sofrendo por Lochan e Maya, estava sofrendo pelo amor que nunca poderia se realizar. E com certeza estava sofrendo de bipolaridade, a cada momento pensava e sentia algo diferente.
Como algo que sente tão certo, pode ser tão errado? 
Como eles podem se amar assim? São irmãos, é nojento! 
Por que é tão errado? Eles não estão fazendo mal a ninguém… 
E já no meio do livro quis chorar, por que não consegui imaginar um final feliz para o casal, como isso poderia dar certo? E só essa possibilidade já destruiu meu coração… 

E no final do livro eu não conseguia fazer nada além de chorar ainda mais, não conseguia pensar em nada além de por quê? 

Li uma entrevista da autora, onde ela dizia que sofre de severa depressão refratária com tendências bipolares, e que nos seus livros passou a colocar toda a dor que sentia nos personagens que estava escrevendo. Nunca consegui imaginar alguém sentindo tanta dor, como a que é descrita em Proibido, só isso já me dá uma ideia da depressão pela qual a autora passou. Eu sofri intensamente ao ler Proibido, meu coração foi estilhaçado, pisoteado, amarrado com arame farpado e atirado pela janela. Poucos (ou nenhum) livros me fizeram sentir tanto, tanto amor, tanta tristeza, tanta raiva, Proibido é um livro para ser sentido.

Já temos resenha postada dele aqui no blog, mas quando eu li não podia fazer nada além de escrever outra resenha, precisava compartilhar tudo o que estava sentindo, confiram a outra resenha também!


Detalhe da diagramação... linda! Livro cheio de detalhes, e com a capa linda! Que na minha opinião, ficou melhor do que a original.





Compartilhe!

15 comentários :

  1. Quando li a resenha pela primeira vez, não esperava que a história fosse tão intensa e polêmica assim. Não nego que fiquei chocada e triste pelo que os personagens passaram no decorrer da história e a maneira que eles encontraram de se apoiarem foi... Olha nem sei como me expressar. Me passa tanta coisa na cabeça. E não pretendo julgar e nem alfinetar o que ocorre, mais achei que a autora foi brilhante ao abordar este assunto. Com certeza vou querer ler. Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia Beth, apesar do sofrimento que sem duvida vc vai passar, é um livro que merece ser lido!

      Excluir
  2. Respostas
    1. Ahhh não Carol! Vc precisa ler!
      Proibido com certeza entrou para o meu top! <3

      Excluir
  3. Nossa, parece ser um livro super diferente de tudo o que eu já li, e tb diferente de tudo o que eu já vi na vida...rsrsrs....vou ler

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia Gigi, e depois volta aqui para nos contar o que vc achou!

      Excluir
  4. Não tenho coragem tb! kkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  5. Tenho que concordar o livro me mudou, a maneira que penso é diferente pois Thabita fez com que eu olhasse tudo de outra forma.

    Tem um quote em especial que ela comenta sobre o quanto agente costuma "aceitar" relacionamentos violentos e não fieis e isso é uma provinha da quantidade de fatos que ela joga na nossa cara e o pior, que realmente estamos acostumado a "aceitar", o quote (neste pequeno pedaço) e não só este como muitas outras passagens incríveis do livro mostra a grandeza que ele representa.

    Sim, Proibido foi até hoje a melhor leitura que fiz, que me tocou intensamente sem precisar ser agressivo, a autora tem uma sutileza sem igual, e consegue fazer que baixemos a guarda diante de um assunto tão polemico.

    Enfim, é difícil colocar em palavras né? nem sei se consegui fazer isso na minha resenha, o sentimento propriamente dito adquirido sobre o livro só consegue sentir quem realmente leu. Então assim como você indico a leitura a todos, deixem os ditos pré conceitos de lado e leiam Proibido, você vai se dar conta que mais do que valeu a pena, se fará necessário para suas vidas.

    As meninas aqui de cima, tenham coragem sim, leiam e não vão se arrepender..na real não se trata de coragem, se trata de abrir os olhos e largar alguns pré conceitos de lado. A sociedade não pode regular relações e como impedir que duas pessoas se amem? não estamos falando de sexo...falo de amor. daqueles verdadeiros..conhecem?

    A equipe do blog deixo minha resenha de Proibido para que vocês também vejam os meus sentimentos ao terminar esta leitura.
    http://www.estantediagonal.com.br/2014/08/resenha-proibido.html

    Beijos Joi Cardoso
    Estante Diagonal

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela visita Joi! Adorei o que vc falou...
      É exatamente isso, eu não consegui entender o crime que dois estavam cometendo, nós vemos todos os dias tantas atrocidades na nossa frente, e algo tão puro, tão maravilhoso, é tido como algo nojento e um crime.
      Toda a narrativa é de partir o coração, a autora tem um poder sem igual.

      Esse livro é um daqueles que todas as pessoas deveriam ler!

      Excluir
  6. Qnd li sobre o q se tratava este livro a minha primeira reação foi a repulsa!
    Coloquei-o na lista dos livros q eu n gostaria de ler!
    Mas agora lendo a sua resenha e os comentários me despertou uma curiosidade enorme!!
    Tentarei lê-lo tbm deixando os meus preconceitos de lado! É difícil, mas tentarei!

    ResponderExcluir
  7. Beeem,

    Desde que vi a capa desse livro me apaixonei, fui na Bienal de SP e acabei não comprando e agora larguei a preguiça de lado e pedi.
    Eu realmente vou tentar tirar todo o preconceito do meu coração e ler ele. Já vi algumas pessoas que amaram e algumas que não curtiram. Eu espero me apaixonar pela leitura e depois chorar que nem você no final.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Oiiii Laura!!

    Confesso que gosto de livros mais leves e, ao saber que o livro tratava de incesto, não fiquei muito animada a ler. Mas, pelo o que vi na sua resenha a autora soube tratar um tema polêmico de uma forma não muito pesada. Sua resenha me fez ficar curiosa quanto à história e a forma de escrita da autora!
    Espero ler em breve esse livro 💖👌
    Beijos
    Cantinho da Bruna

    ResponderExcluir
  9. Eu tenho um certo receio em ler ele,não so pelo fato deles serem irmão,mas tambem porque me contaram o final.
    Mas agora fiquei bem curiosa sobre a forma de como o livro vai se desenvolver e como a autora tratou desse assunto.
    Bjs

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei