[Review] Allegiant

No final de Insurgente, uma grande revelação mudou tudo. Há um mundo fora dos portões. E eles precisam de ajuda. Quem são eles? O que de fato está acontecendo?

Evelyn Eaton não quer saber. Líder dos sem-facção, ela agora virou líder de toda a cidade. Controlando as armas, ela controla tudo. Mas as coisas não mudam tanto assim. Ela não quer saber o que existe lá fora, e defende a teoria de que, se eles nunca apareceram, é melhor manter deste jeito. Pois, quem sabe no que eles iriam se meter se abrissem os portões. Se é para ter controle sobre a cidade, que ela o tenha, e mais ninguém. Ela jamais será controlada novamente.

Lógico que uma parte das pessoas não concorda com Evelyn e sua tirania, mas o que poderiam fazer se ela detém o controle de todas as armas?

Enquanto isso, Tris e Christina estão presas e serão julgadas por seus atos. Por ajudarem a liberar o segredo, por irem contra as ordens de Evelyn.

Tobias percebe que sua mãe não é tão diferente de seu pai, e decide agir. Ele, Tris e seu grupo da Audácia, não concordam com as atitudes de Evelyn, e sentem que devem atravessar os portões para descobrir a verdade sobre o que há lá fora.
"Confie em mim. Vá aonde eles te disserem.
Estou tentando - eu digo, e é verdade. Estou tentando confiar nele. Mas cada parte de mim, cada fibra e cada nervo, está ansiando pela liberdade, não apenas desta cela, mas da prisão desta cidade.
Eu preciso ver o que há além da cerca."
Um grupo de rebeldes se forma, os chamados Convergentes, e se preparam para deixar a cidade. Ir rumo ao seu destino. As facções não existem mais. Amizade, Erudição, Abnegação, Franqueza, Audácia... Entre todos há aqueles que não concordam com as decisões de Evelyn e também com todo este sistema de dividir pessoas por aptidões, afinal, todos são humanos e podem ter diferentes atos, que dependem das situações de vida em que vivem. Por um mundo sem estes rótulos, sem a tirania destes líderes, e pela verdade que há lá fora, eles lutam.

E conseguem. Mas a verdade não é tão doce quanto desejavam. O mundo em que vivem não chega nem perto do que conhecem. E as divisões, os julgamentos, os rótulos, não são nem de longe, apenas o que aprenderam. Os problemas vão muito mais a fundo, e, mais uma vez eles devem agir.

Para alcançar a paz, de uma vez por todas, para tentar fazer certo. Pelas pessoas que amam, por eles mesmos, pelo mundo. Pela vida.

O que eles podem arriscar para alcançar esta paz? O que vale a pena ser perdido? Quais sacrifícios eles podem fazer?

Tris, Tobias, Christina, Uriah, Cara, Peter, Caleb. Eles devem lutar. Mesmo que isto signifique perder alguns pelo caminho.

"Eu rio, e é esta risada, não a luz, que expulsa a escuridão que cresce dentro de mim, que me lembra que ainda estou viva, mesmo neste lugar estranho, onde tudo que eu sempre soube está desmoronando. Eu sei de algumas coisas - eu sei que não estou sozinha, que eu tenho amigos, que estou apaixonada. Eu sei de onde vim. Eu sei que não quero morrer, e, para mim, isto é alguma coisa - mais do que eu poderia ter dito algumas semanas atrás."

É difícil falar sobre esse livro. Geralmente as conclusões das séries não são assim tão ruins de se falar a respeito, mas essa foi. Não apenas pelo final em si, mas tudo que veio antes e que nos levou a ele. Vou tentar explicar o que eu sinto.

Meu maior desgosto com a história de Convergente foi a narrativa, a história. Parece que a autora ficou meio perdida no meio do caminho, sei lá. Comparado aos livros anteriores, essa história é confusa, e tudo que eu menos gosto: tem pontos soltos. Vou tentar explicar melhor sem contar nada importante.

Tris nunca foi uma pessoa muito equilibrada emocionalmente. Forte, sim. Resistente, sim. Mas sempre teve uma personalidade meio variável. E nesse livro eu até achei que ela estava melhor do que muita gente. Tirando uma parte ou outra que suas atitudes foram incompreensíveis, ela agiu normalmente a maior parte do livro.

"Eu costumava pensar que, quando as pessoas se apaixonam, elas apenas chegam aonde tinham que chegar, e não têm mais escolha neste ponto. E talvez isto seja verdade no início, mas não é a verdade agora.
Eu me apaixonei por ele. Mas eu não apenas estou com ele por revelia, como se não haja mais ninguém disponível para mim. Eu permaneço com ele porque eu escolhi, todos os dias que eu acordo, todos os dias que brigamos ou mentimos um para o outro, ou nos desapontamos. Eu o escolho uma e outra vez, e ele me escolhe."
Agora, Tobias foi o problema. God, o que aconteceu com ele? A vida inteira foi complicada para Quatro. Sofreu na mão do pai, depois sofreu com a ida da mãe, depois com a mudança de facção e por aí vai. Vários problemas aconteceram, o ataque da Jeanine, sua mãe apareceu, e ele permaneceu firme. Daí, no último livro, ele tem todas as crises emocionais possíveis e imagináveis? Além do fato de agir loucamente em muitas situações. Até os pensamentos dele estavam estranhos. Titia Roth, WTF?

Para vocês terem uma noção do nível de estranheza deste livro, eu achei o Peter um dos personagens mais pé no chão oO. E até pensei duas vezes se as atitudes do Caleb estavam mesmo erradas. Oi? 

Vários momentos simplesmente não fizeram sentido para mim. Há toda uma explicação de como boa parte da população possa ser geneticamente danificada. Ok. A distopia foi muito inteligente, caiu muito bem na história. E daí, para corrigir um erro que vem desde o passado, um grupo de pessoas simplesmente decide roubar um soro, para que os governantes não o usem mais. HAHAHAHAHAHAHA Foi para rir essa! Correm o maior risco, armam a maior confusão, e não passou pela cabeça de ninguém que eles simplesmente fariam mais soro? HAHAHAHAHA #euri (o melhor de tudo foi que ninguém nem ao menos cogitou essa hipótese).

Depois de perceber este ato falho, partem para outra ação. O gran finale. Mais inteligente e mais complexo, mas, como ninguém pensou na outra parte do mundo? Se o pensamento na região americana é este, o do resto do mundo provavelmente deve ser parecido, e tudo que eles arriscaram foi para algo temporário, que facilmente pode voltar quando pessoas do outro lado vierem para onde eles estão. Sei que parece confuso para quem não leu, mas precisava desabafar sobre essas coisas absurdas que ninguém nem ao menos pensou. 

A parte mais absurda para mim foi quando o Tobias (surtado mode on) conta para Tris um segredo que uma terceira pessoa contou para ele, e ele acredita como se fosse a maior verdade do mundo. Tris desconfia de cara que essa pessoa possa estar mentindo. Ok. Eu também desconfiaria. Mas aí uma outra pessoa desmente a história para Tris e ela acredita firmemente nessa pessoa, briga com Tobias, etc etc. Oi? Ela desconfiou porque uma pessoa contou para ele, mas se outra pessoa conta para ela, ela acredita. Hahahahahaahaha #éprarir !

O final, na minha opinião, foi a parte menos absurda do livro. Claro, eu chorei litros, inevitável. Mas eu ENTENDI. Entendi o que levou a Tris a tomar aquela atitude, que desencadeou numa cadeia de eventos, e que seria bem diferente se ela não tivesse feito. Entendi as atitudes do Tobias em relação à mãe e como ficou toda a situação depois. 

Fiquei muito triste com esse livro. Esperava muito mais. Os dois primeiros foram tão legais.

Esta é a minha opinião. Não sei se existe nesse mundo alguém que gostou, mas, enfim, vale a pena ler. Para saber o final, para descobrir a verdade sobre o mundo de fora dos portões ou até mesmo para xingar a autora. Eu sei que todos ficarão curiosos mesmo, rs. Então LEIAM e venham surtar comigo! 

"Eu suponho que um fogo que queime assim, tão brilhante, não esteja destinado a durar"

Saiba mais sobre a série:

O filme baseado na série já está sendo filmado e tem estreia prevista para março de 2014 (tomara que pelo menos o filme nos traga alguma alegria, rsrs).

Assista o trailer:


Saiba mais sobre o filme AQUI.

9 comentários:

  1. Eu definitivamente estou irritada com a Roth u.u
    Sei do maldito final. Quem não sabe?
    Esse livro vai ser uma bosta (desculpa pela palavra)
    Vou ler, mas sei que vou me arrepender! Ela nem pense que não vou contribuir com essa porcaria, vou achar algo por ai pela net e pronto! Não compro esse livro! Esse vai ser o unico da trilogia que não vou ter u.u

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jess, depois desse livro eu estou considerando se compro ou não algum livro da trilogia (eu li os 3 em ebook), porque com certeza não lerei novamente no futuro!

      Excluir
  2. Ai Twin, eu nem vou ler , pq nem comecei essa série! kkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acho que o 1 e o 2 valem a pena ler (comprar não, só ler, rs), mas o 3 ninguém merece twin!

      Excluir
  3. Mais ou menos na metade da leitura de Allegiant eu descobri sobre o bendito spoiler e fiquei curiosa em saber como chegaríamos a tal ponto... Não achei o final de todo ruim, apesar de torcer por um fim melhor para a Tris e achar o desfecho geral um tanto preguiçoso (Em 5 minutos de conversa com Tobias, a Evelyn mudou sua opinião soberana, com mais 5 eles resolveram tudo na paz, deixando o Marcus no cantinho???).

    O que realmente desvirtuou dos outros livros foi o ritmo do enredo, com pouca ação, pouco romance e com personagens como o Tobias retrocedendo na narrativa (Só agora o cara resolver entrar em crise depois de tudo que passou??? Cadê o Four que conhecemos??? Tinha hora que eu queria pular os capítulos dele de tanto mimimi...).

    A Tris evoluiu melhor, mesmo com o "flash" de ciúmes desnecessário ao desenvolvimento do casal e culminou sua história com um fim triste, que não me chocou e que analisando melhor até parecia claro, enfim fecha o arco da personagem, apesar desta parte final ter rolado meio na correria. Gostaria de ter visto ela e o Caleb trabalhando mais no relacionamento deles antes do sacrifício, aliás, no geral esta foi uma relação pouco explorada na trilogia e acho que esse é um plus aos motivos de revolta dos leitores com o final.

    Allegiant foi o ponto fora da curva da série, com alguns pontos respondidos, outros nem tanto e outros enfiados garganta abaixo, mas que no saldão fechou a conta pelo menos da Tris.

    Fiquei curiosa pra saber o que rolarão com os filmes agora, afinal a película começou a rodar antes do fim da série... Com um final dito "polêmico", será que a produção se sustenta até o último filme?! Vamos ver...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também achei meio seco o entendimento do Tobias com a mãe, como se ela quisesse acabar logo, sabe?

      O ritmo do enredo definitivamente me chateou, estava tudo tão lento, até os personagens ficaram chatos!

      Também achei a Tris a melhorzinha e concordo com o final.

      Eu não acho que sustenta até o último filme, mas vamos ver.... O que leva um filme desses para a frente é o apoio dos fãs. E, como a maioria está BEM descontente com o final, acho pouco provável que todo mundo se anime e fique incentivando a produção dos filmes... Claro, a menos que o primeiro filme seja extraordinário...

      Excluir
  4. Olá,estou ansiosa para ler Allegiant mas até agora não pude e fico com medo de ler as resenhas e estragar o final kkk mas eu gostaria de saber se a Tris morre e se o Tobias fica com a Christina

    ResponderExcluir
  5. Olá, amei a resenha. Ainda não criei coragem de ler esse livro por conta de spoilers hahaha Mas irei com certeza

    ResponderExcluir

Laura Lendo...

Lud Lendo...

Luiza Lendo...