28 julho 2013

[Notícias] PV de Dimitri em VA



Para quem gosta de Vampire Academy, sabe que Titia Richelle divulgou no site dela, o Ponto de Vista de Dimitri da primeira cena do Livro 01.

Confira!



“Dimitri”
Eu me virei instantaneamente ao som do meu nome, lançando um olhar ao guardião que se aproximava na escuridão. O que ele estava pensando? Todos que estavam aqui esta noite sabiam o quanto o sigilo era essencial. Não importava que ele fosse novo e estava simplesmente animado sobre sua primeira grande missão. Nós não tínhamos espaço para erros, não quando esta era a única ruptura que tivemos em mais de um ano. Percebendo seu erro, ele parecia arrependido, embora não fosse perto o suficiente.
“Desculpe”. Ele abaixou sua voz para um sussurro e bateu em sua orelha. “O fone não está funcionando. Nós verificamos a casa, e elas já saíram. Elas devem ter sido avisadas, talvez espiões no perímetro da rua”. Conforme sua animação voltava, o jovem guardião – Laurence – começou a falar rapidamente. “Eu estava pensando sobre isso. Elas provavelmente têm uma rede completa de pessoas trabalhando para elas! Faz sentido, certo? Como elas poderiam ter ficado a nossa frente por tanto tempo? Não tem como dizer o quão profundo essa conspiração vai! Nós poderemos enfrentar um exército essa noite!”
Eu não disse nada e não mostrei nada enquanto eu ponderava sobre suas palavras. Era realmente um mistério como duas garotas adolescentes conseguiram evitar serem detectadas por dois anos, especialmente quando uma delas era uma princesa Moroi privilegiada e a outra uma dhampir delinquente com uma ficha tão comprida que quebrou o Recorde da escola. Quando me juntei aos professores da St. Vladimir no ano passado e descobri sobre o caso da princesa, eu fiquei realmente surpreso que as garotas não tivessem fugido antes. Estando ligada a outros poderia explicar como elas permaneceram escondidas... e ainda assim, em toda a nossa coleta de dados, nós nunca tivemos a menor sugestão de que elas possuíam um cúmplice, muito menos “uma rede completa de pessoas” ou “um exército”.
Meu Silencio fez Laurence nervoso, e ele parou de sorrir. “É irrelevante agora”, eu o disse. “E não é o momento para fazer conclusões quando-“
“Dimitri?” Uma voz feminina estalou no meu receptor. “Nós as vimos. Elas estão se aproximando da interseção da Brown e Boudreaux, pelo norte”.
Sem outra palavra de Laurence, eu virei e segui para as ruas indicadas. Eu ouvi ele correndo atrás de mim, mas seus passos eram menores, e ele não conseguiu me acompanhar. Eu tentei me manter calmo enquanto minha freqüência cardíaca aumentava, mas era difícil. Era isso. Era isso. Nós finalmente a teríamos: Vasilisa Dragomir, a princesa desaparecida, a última de sua linhagem. Embora eu soubesse que toda a rede de guardiões fosse honrosa – incluindo o ensino de futuros guardiões – parte de mim ansiava por algo mais na St. Vladimir. Quando eu descobri sobre a princesa Dragomir e como ela havia fugido da escola, eu fiz a procura dela um projeto pessoal, procurando por pistas que outros diziam ser irremediável.
Eu? Eu não acreditava no irremediável.
Eu reduzi meus paços conforme cheguei na interseção, permitindo que Laurence me acompanhasse. Um rápido exame me revelou que as formas escuras dos outros guardiões estavam escondidos nas sombras e atrás de objetos. Este era o local que eles escolheram para a interceptação. Rapidamente, sai da estrada e me escondi na cobertura de uma árvore, pedindo a Laurence para fazer o mesmo com um aceno de cabeça. Nós não tivemos que esperar muito. Conforme eu olhava em volta na margem da árvore, eu vi duas figuras femininas se aproximando, uma praticamente se arrastando juntamente da outra. Primeiramente eu supus que fosse a forte dhampir ajudando a princesa, mas conforme elas chegaram perto, suas alturas e constituições revelaram que era exatamente o oposto.
Eu não tinha tempo para refletir sobre essa esquisitice. Quando elas estavam a dois metros de mim, eu rapidamente sai de trás da árvore e bloqueei seus caminhos. Elas se detiveram, e qualquer que fosse a fraqueza da garota dhampir tinha agora desaparecido. Ela agarrou a princesa bruscamente pelo braço e a empurrou para trás, assim o próprio corpo da dhampir servia como um escudo me mantendo longe. A nossa volta, outros guardiões se espalharam, tomando posições defensivas mas não avançando sem o meu comando. O olho escuro da garota dhampir tomou nota deles, mas ela manteve sua atenção focada diretamente em mim.
Eu não sabia inteiramente o que esperar dela, talvez que ela tentasse fugir ou implorar pela sua liberdade. Ao invés disso, ela mudou para uma posição ainda mais defensiva na frente da princesa e disse em uma voz que era um pouco mais que um rugir: “Deixe-a em paz. Não toque nela”.
A garota estava perdidamente derrotada e ainda assim desafiadora, como se eu fosse o que estivesse em desvantagem. Em momentos como este, eu ficava satisfeito que meus antigos professores na Rússia haviam me ensinado a esconder os meus sentimentos – porque eu estava surpreso. Muito surpreso. E conforme eu observava essa garota dhampir, eu de repente entendi com perfeita claridade como elas nos iludiram por tanto tempo. Uma rede completa de cúmplices? Um exército? Laurence era um tolo. A princesa não precisava de uma rede completa de cúmplices ou um exército, não quando ela tinha esta protetora.
Rose Hathaway.
Havia uma paixão e intensidade que irradiava dela, quase como algo palpável. Tensão preenchia cada parte de seu corpo conforme ela me considerava, me desafiando a fazer um movimento. Ela possuía um ferocidade que eu não esperava – que ninguém esperava, eu percebi, muito provavelmente porque eles não puderam ver aquela ficha antiga de delinqüente dela. Mas havia uma aparência em seus olhos agora que dizia que isto era uma piada, que ela poderia morrer mil vezes antes de ela deixar qualquer um prejudicar a princesa a suas costas. Ela me lembrava um gato selvagem encurralado, suave e lindo – mas completamente capaz de arranhar seu rosto se fosse provocado.
E sim, mesmo na fraca iluminação, eu pude ver que ela era bonita – de uma forma fatal – e isso me golpeou também. Suas fotos não lhe fizeram justiça. Cabelo escuro e comprido emoldurando um rosto preenchido com o tipo de beleza duramente afiada que um homem poderia facilmente colidir contra seu coração. Seus olhos, embora cheios de ódio por mim, ainda conseguiam ser sedutores – que apenas adicionava a ela perigo. Ela podia estar desarmada, mas Rose Hathaway possuía muitas armas.
Eu não queria lutar com ela e estendi minhas mãos em um gesto apaziguador, conforme eu dava um passo a frente. “Eu não vou-“
Ela atacou.
Eu vi isto vindo e fiquei tão surpreso pela ação em si de como ela poderia ao menos tentar isto com todas as probabilidades contra ela. Eu deveria ter ficado surpreso? Provavelmente não. Conforme havia observado, estava claro que a Rose estava disposta a fazer qualquer coisa e lutar com qualquer um para proteger sua amiga. Eu admirei isto – Eu admirei muito – mas isto não me impediu de golpear e bloqueá-la. A princesa ainda era o meu objetivo esta noite. E embora a Rose possuísse paixão e desafio, seu ataque foi desajeitado e fácil de desviar. Ela estava longe a muito tempo de treinamento formal. Ela mal se recuperou e começou a cair, e eu me lembrei que ela tinha cambaleado antes. Por instinto, eu estendi minha mão e a peguei antes dela bater no chão, mantendo-a estável em seus pés. Aquele cabelo comprido e magnífico se afastou de seu rosto, revelando duas marcas sangrentas no lado do seu pescoço. Outra surpresa – mas explicava sua fatiga e aparência pálida. Aparentemente sua devoção a princesa ia além de apenas defesa. Percebendo a minha análise, Rose derrubou um emaranhado de cabelo para cobrir seu pescoço.
Apesar da situação de desespero, eu pude ver seu pequeno corpo se preparando para outro ataque. Eu me tencionei em resposta, embora eu não quisesse que esta corajosa, bonita e selvagem garota fosse minha inimiga. Eu a queria como... o que? Eu não tinha certeza. Algo mais que uma briga superada em uma rua de Portland. Havia muito potencial aqui. Esta garota poderia ser invencível se o seu talento fosse devidamente cultivado. Eu queria ajudá-la.
Mas eu lutaria com ela se eu precisasse.
De repente, a Princesa Vasilisa segurou a mão de sua amiga. “Rose, Não”.
Por um momento, nada aconteceu, e todos ficamos congelados. Então, lentamente, a tensão e hostilidade aliviou do corpo da Rose. Bem, não toda a hostilidade. Ainda havia um brilho perigoso em seus olhos que me manteve em guarda. O resto de sua linguagem corporal disse ela não admirava exatamente ser derrotava, ela teve que reconhecer uma trégua – desde que eu não lhe dei causas para um alarme.
Eu não planejava. Eu também não planejo jamais subestimá-la novamente, garota selvagem, eu pensei, momentaneamente trocando olhar com ela. E eu me certificarei que ninguém jamais a subestime também.
Satisfeito que ela estava pacífica – pelo menos momentaneamente – eu arrastei meus olhos de seu olhar escuro e me foquei na princesa. Depois de tudo, fugindo ou não, Vasilisa Dragomir era a última de uma linhagem real, e certos protocolos precisavam ser seguidos. Eu me curvei diante dela.

“Meu nome é Dimitri Belikov. Eu vim para levá-la de volta para a Academia St. Vladimit, Princesa”.

Créditos da Tradução: Luciana!



Compartilhe!

Um comentário :





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei