16 julho 2013

Entrevista: Maximiliano Souza





O Max é uma pessoa maravilhosa, autor de um livro incrível, leiam a nossa entrevista para conhecê-lo melhor.
















ELB: Desde quando começou a escrever? Qual seu primeiro livro escrito?
MS: Criar histórias sempre foi um hobbie mas o primeiro livro que acabou sendo na linha homoerótica que escrevi foi o Amor Invertido mesmo.  


ELB: Fale um pouco sobre você. Seus hobbies, sua trajetória profissional, etc.
MS: Eu gosto de artes em geral mas, no todo, sou bem doméstico. Gosto de cozinhar, de ler, de viajar e, é claro, de escrever. Também gosto de navegar mas como trabalho durante o dia e estou estudando à noite simplesmente não sobra tempo. 


ELB: No início, que tipo de escritor ou livro te influenciaram? E atualmente? Tem alguma influência?
MS: Essa é difícil. Sou um leitor compulsivo e leio de tudo. Atualmente tenho lido livros que acabam se misturando com filosofia em sua narrativa como em Lilá. E é claro, muitos livros técnicos. Se quer realmente saber minha influência para o livro ela veio dos mangás. Mais especificamente de um mangá chamado Junjou Romântica do qual gostei muito. Minhas outras influências que aparecem no livro se referem a eventos que acontecem no cotidiano. Acabo incorporando coisas que vejo e ouço quando as acho significantes.  


ELB: Tem alguma mania? Algo que sempre faz antes de começar a escrever?
MS: Não sei se é uma mania mas acabo tendo de ler e ver muita coisa dentro da ótica GLS para poder elaborar as histórias. Acabo também acompanhando algumas comunidades no face e fazendo sempre algumas entrevistas para ver se minhas percepções estão próximas da realidade, mesmo que minha obra se trate de uma ficção. 


ELB: Quais são os seus autores favoritos?
MS: E lá vamos nós de novo. Rs. São tantos que é difícil de lembrar. Vou citar alguns: James Clavel; Pearl Buck; Robert M. Pirsig; Stephen King; Augusto dos Anjos... e por aí vai. 


ELB: Você se identifica com algum personagem, ou alguma situação passada por um personagem?
MS: Em algum grau, todos os personagens são extensões de minhas experiências de vida então é difícil não me identificar com as situações ou com os personagens. Isso porque aquilo que uso para alimentar meu imaginário vem daquilo que observo no cotidiano. 


ELB: Os seus personagens foram inspirados em você ou em alguém que você conhece?
MS: Os personagens principais foram inspirados mesmo nos personagens principais do mangá Junjou Romântica. Quando comecei a escrever era apenas um divertimento ao qual fui agregando coisas que foram acontecendo com pessoas conhecidas ou em situações presenciadas. As personalidades, no entanto, acabaram sendo influenciadas por algumas pessoas que conheço e por isso foram se modificando aos poucos. Esse conjunto de coisas acabou resultando no Amor Invertido. 


ELB: De onde surgiu a ideia do livro?
MS: Eu fui escrevendo, escrevendo e escrevendo. Não tinha nenhuma ideia definida para essa história. Via alguma coisa interessante, tinha alguma conversa onde aparecia o preconceito ou assistia a algo que falasse sobre o assunto acabava retomando e acrescentando esta ou aquela história. E no final, sem perceber, tinha material para um livro. Soube de um concurso de uma editora especializada em escrita GLS e decidi organizá-lo. Mas acabei não conseguindo entregar em tempo para competir. No fim acabei encontrando a Modo Editora que se interessou em publicá-lo. 


ELB: Em que você se inspirou para a construção da história?
MS: Eu fiquei imaginando como seria a história se eu transportasse os personagens do mangá para um contexto brasileiro. E conforme essa adaptação foi ficando artificial comecei a pensar em acrescentar coisas reais e comecei a pesquisar. Também conversei com muita gente, li e assisti muito material nacional para compreender como é que o tema do homossexualismo e do preconceito é tratado dentro de nossa cultura


ELB: Eu adorei a arte da capa, de onde surgiu essa ideia?
MS: Essa capa está com as opiniões divididas. Rs. Tem quem odeia e tem quem ame. Mas ela é bastante simbólica. A arara foi escolhida por dois motivos: ela é um animal bem fiel ao seu parceiro e mantém relações monogâmicas, algo que achei romântico para o casal principal. E o triângulo rosa é o símbolo mais antigo que encontrei representando o homossexualismo. Nos campos de concentração nazistas, homens que haviam sido pego em práticas homossexuais recebiam o triângulo rosa. O rosa em geral me parecia ser uma cor importante para a capa e como o azul geralmente é relacionado às pessoas do sexo masculino acabamos fundindo as duas cores. Por fim, existe a imagem de um rio no fundo da capa. O rio geralmente é um elemento de transição e de ligação entre dois mundos. E para quem ler o livro, tanto os rios quanto a ideia de transição estão bem representadas no personagem Diego. 


ELB: Me fala sobre os seus projetos futuros um pouquinho…
MS: Estou trabalhando na continuação do livro atualmente. Não sei se vai ficar assim, mas por enquanto, estou dando o nome a esta continuação de Casamento Invertido. Quando penso em Amor Invertido eu sempre penso em uma novela pois os tipos de problemas que o personagem enfrenta ao longo de sua vida parecem sempre evoluir para uma nova situação. Mas vamos ver no que dá. 


ELB: Quais as maiores dificuldades que você encontrou para publicar o livro?
MS: A maior dificuldade, ao meu ver, nunca é publicar e sim divulgar. Como é que se faz um livro chegar até o público alvo? O que se pode fazer para chamar a atenção para uma história? Como ampliar esse público? Ultimamente essa tem sido uma de minhas preocupações. Por isso sempre que alguém comenta sobre o livro eu fico muito feliz pois é certo que talvez as palavras desse leitor alcancem outros e pode ser que eles gostem de minha história e a levem adiante. 


ELB: O que você acha dos pedidos de parceria, como você considera a importância desse laço Blogueiros e você/livro?
MS: Acho um canal extremamente importante! Apenas acho complicado conseguir atender a todos pois muitos pedem livros e isso é meio inviável para escritores que estão começando. Isso acaba sempre me deixando num dilema pois meu primeiro impulso era entregar livro pra quem pedia e depois vi que isso não funciona. Com relação a estas parcerias ainda preciso encontrar uma boa fórmula mas, por enquanto, isso é um mistério. 


ELB: Como foi pra você quando você pegou seu livro pela primeira vez nas mãos?
MS: Foi um alívio pois eu já estava na porta da Bienal de São Paulo. Rs. Tivemos um problema com a gráfica e eu passei mais nervoso que pai em maternidade mas, no final, acabou dando tudo certo. 


ELB: Tem sido o que você esperava, a aceitação do livro?
MS: Na verdade, estou me surpreendendo com sua aceitação. Achava que não devia esperar muito dele já que trata de um assunto controverso e eu não fiquei realmente colocando censura na história. É um livro meio "proibido para menores" em alguns aspectos por tratar de um tabu rodeado de preconceitos como a relação sexual homossexual.  Por isso fiquei surpreso com sua aceitação. Isso me enche de esperança no que se refere ao respeito as individualidades mesmo vendo o congresso tentando aprovar leis que trata o homossexualismo como doença. Isso acabou me inspirando a dar continuidade à história. Então tenha a certeza que é graças a você leitor que as aventuras de Diego e Vinícius irão continuar. 


Max, você não faz ideia de como fiquei feliz ao saber que terá continuação! Mal posso esperar para ler. Obrigada pela entrevista, e obrigada pela história que você criou.



Compartilhe!

6 comentários :

  1. Eu não estava entendendo muito a capa, depois da explicação estou achando a capa perfeita!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim! Vi muita gente criticando que a capa não fazia sentido... Mas faz todo sentido! Ficou perfeita...

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    3. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    4. Ainda bem que eu não critiquei kkkk, esperei a explicação para dar a minha oipnião.

      Ps: comentei 2 vezes pelo o do meu noivo... kkk

      Excluir
  2. Nossa,a justificativa da capa ficou incrível!
    Muito significativa e profunda o/
    Eu nunca teria imagina isso rs

    Legal :D

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei