[Every Little Author] Glaucia Santos

Glaucia tem 32 anos, é casada, nascida e criada na cidade de Duque de Caxias, Rio de Janeiro. Formou-se em Sistemas de Informação pela Universidade do Grande Rio e atualmente trabalha como analista de serviços de telecomunicações. Leitora ávida e compulsiva, já leu mais de duzentos livros e hoje se dedica a publicar resenhas sobre obras literárias. Começou a escrever no final de 2008, quando publicou sua primeira estória na internet. Depois de tanto “brincar de escrever” resolveu publicar o seu primeiro livro: “Para sempre”.





1.    Desde quando começou a escrever?

Comecei a escrever no final de 2008, depois de terminar de ler a Saga Crepúsculo.

Fiquei insatisfeita com o final da saga e a partir daí fui em busca de continuação, descobrindo as Fanfics. Como não encontrava Fanfic finalizada, resolvi fazer uma de própria autoria, com um final que me agradece. Depois disso não parei mais, tomando gosto por escrever contos.

2.    Fale um pouco sobre você. Seus hobbies, sua trajetória profissional, etc.

Eu sou uma pessoa normal, que trabalha, estuda, adora novela – principalmente as mexicanas – adora ler e escrever. Sou um pouco taciturna e saio pouco para as baladas, preferindo a calma do meu lar, pois sou tipicamente caseira.

3.    No início, que tipo de escritor ou livro te influenciaram? E atualmente? Tem alguma influência?

No início tive influência direta da Stephenie Meyer, pois escrevia sobre as personagens dela. Depois comecei a escrever originais, com base em fatos da vida real e não me deixei influenciar diretamente por nenhum autor.

4.    Tem alguma mania? Algo que sempre faz antes de começar a escrever?

Assistir novelas e seriados. Sempre gostei muito de TV e as novelas me deixavam encantada. Depois que comecei pelo mundo da leitura, abandonei um pouco esse hábito e dei vazão para a imaginação, deixando-a criar o que lia nos livros.

5.    O que é mais divertido e mais chato na hora de escrever?

O mais divertido é criar as personagens, a personalidade, vivenciar os sentimentos e me sentir dentro da trama. Eu entro completamente nela quando começo a escrever. É algo único e encantador para o autor ver suas personagens criando vida. Rio, choro, sofro e me emociono com as cenas de cada um deles. Só quem escreve sabe o que é isso.

O mais chato é quando você planeja algo na trama e de repente ela toma outro ritmo. Às vezes o autor fica um tempo sem escrever, devido às dificuldades do cotidiano, e quando volta, à trama acaba tomando outro ritmo; não seguindo exatamente o que o autor pretendia. O pior acontece quando o autor fica bloqueado no meio dela e não consegue desenvolver... Um verdadeiro caos. Isso já me aconteceu algumas vezes e não é uma experiência muito boa.

6.       Você tem algum autor que ame muito?

É difícil escolher um autor, pois amo vários.
  

7.    Você se identifica com algum personagem?

Eu adoro as mocinhas determinadas e atrevidas. Recentemente li um livro da Lisa Kleypas – Sedução Intensa – e me identifiquei muito com Lilian Bowman. Ela é atrevida, ousada, determinada e não tem papas na língua. Apesar de ser hiper romântica, gosto desse tipo de mocinhas.

Também gosto muito da hibrida Cat, da série Série Night Huntress  -  autora Jeaniene Frost. Cat é atrevida, debochada, determinada e não tem medo do perigo. Adoro o seu humor sarcástico. Acho fantástico.

  
8.    De onde surgiu a ideia do livro?

Para Sempre surgiu através da música Por Enquanto. Eu a ouvi algumas vezes e daí consegui criar toda uma trama. Demorou um tempo até colocar no papel e as coisas fugiram um pouco da ideia inicial. Apesar disso, a trama ficou linda demais.

9.    Em que você se inspirou para a construção da estória?

Eu queria um amor inocente, puro, que durasse uma vida inteira, mas sobre tudo um amor que fosse real e que mostrasse os altos e baixos do cotidiano das pessoas, então eu me inspirei em fatos que vi e vivi, mas usando a música como enredo principal. Não queria uma história perfeita, mas que transmitisse uma boa mensagem.


10.  Você pretende fazer continuação para o livro, ou tem mais algum livro em andamento? Pode contar um pouco pra gente?

Para Sempre é um projeto finalizado. Não pretendo fazer uma continuação para ele, pois a história não deixa gancho para continuação. Luz da Minha Vida, que é o próximo lançamento, provavelmente terá uma continuação com as personagens secundárias. Ainda não pensei no enredo e não iniciei nada.
  
O próximo livro depois dele será Vidas Opostas e esse pretendo dividir em três partes, porque a fanfic dele tem quase 1000 páginas e seria inviável fazer em um único livro. Tenho outras fanfics originais e algumas ideias, mas no momento está tudo parado.
   

 11.  Como foi pra você quando você pegou seu livro pela primeira vez nas mãos?

Foi como houvesse ganhado na loteria. Senti uma explosão contagiante de alergia e emoção, só comparadas ao dia do meu casamento e a minha formatura na faculdade. Gritei, ri e chorei de felicidade. Com toda certeza um momento para eu recordar a vida inteira, como um dos melhores da minha vida.

12.  Tem sido o que você esperava, a aceitação do livro?

Num geral as criticas do livro foram boas e a aceitação também. Ele é um clichê e deixo claro o rumo da trama. O leitor já tem ideia de como vai terminar, mas o legal do livro é que passa uma variedade de mensagens. O que posso dizer depois desses meses, é que gostei bastante da aceitação do público em geral.

13.  Você está na esperança de atingir um publicou alvo, ou o livro foi escrito para um publico em especifico?

Apesar de a história começar com eles criança, e pegar boa parte da adolescência, o livro é para adultos. Pelo que observei dos leitores, agradei tantos os jovens de 18 e 19 anos quanto os mais velhos de entre 50 e 65 anos.

14.  Como foi a escolha do nome do livro?

O nome do livro foi tirado do trecho da música Por enquanto: “Se lembra quando a gente chegou um dia acreditar, que tudo era pra sempre, sem saber que o “pra sempre” sempre acaba”.

15.  Quais as maiores dificuldades que você encontrou para publicar o livro?

 A maior dificuldade para o autor começa em encontrar uma editora para publicar. Ele tem que pesquisar bastante, mas isso não é garantia de que terá um trabalho de acordo com o que foi pago. Todo o processo de edição do livro é muito estressante e cansativo. O autor fica ansioso, pois nem sempre os livros são lançados de acordo com o cronograma.

Depois começa a pelejar na parte de divulgação e tem que investir bastante para conseguir que seu livro seja visto por um grupo pequeno. Nesses poucos meses descobri que é muito difícil ser autor nesse país, assim valorizo muito os nossos autores. Sei a luta de cada um para conseguir publicar e principalmente vender os livros. Geralmente as pessoas gostam sem pena nos livros estrangeiro, mas quando um autor nacional cobra o mesmo, ou um pouco mais, acabam deixando o livro de lado. É tudo muito complicado!


16.  A capa é linda e chama a atenção, ficou do jeito que você imaginou seu livro?

A capa do livro superou todas as minhas expectativas. O Filipe conseguiu captar exatamente a essência do livro. Acho que se fizer uma segunda edição, a capa não ficará tão linda quanto a primeira. Ele simplesmente arrasou.

17.  Agora que você vem recebendo pedidos de parceria, como você considera a importância desse laço Blogueiros e você/livro?

Os blogs são de suma importância para a divulgação do trabalho dos autores e das editoras. Através deles ficamos conhecidos e há uma propaganda, através do boca a boca dos leitores. Mas deixo claro que nem todos os blogs têm a intenção de divulgar o trabalho do autor. Muitos blogueiros só divulgam e publicam resenha de livros que recebem de graça.

Nem sempre o autor nacional tem condições de ceder livros e acaba não tendo apoio dos blogs.  Muitos ainda exigem livros para sorteio, além de ganharem exemplar para resenha, e por conta disso o autor acaba não conseguindo a divulgação necessária para ter seu trabalho conhecido.

Eu fiz parte de um blog e os livros que resenhava eram 98% comprados por mim. Se gostava, fazia a divulgação do autor e resenha dos livros, bem como indicava para amigos. Agora é muito difícil ver isso ocorrer na blogosfera. Eu não estou julgando blogs terem parcerias e sim não investirem como investem em um estrangeiro. Nacional quando é divulgado, na grande maioria, foi porque o blogueiro recebeu o livro gratuitamente! E as divulgações na grande maioria são apenas resenha e mais nada.

Recebo infinitos pedidos de parceria todos os dias e não tenho como atender a todos os que me pedem. O custo de um livro sai bem caro para o autor e se ele for enviar livros para todos que pedem, não terá nenhum livro, visto que já é difícil vender nacionais no Brasil e o seu lucro já é muito pequeno.

Acredito que a literatura no Brasil começará realmente a mudar quando as pessoas fizerem divulgação dos nacionais com sinceridade e não apenas por ganharem o livro de graça do autor.

Na nova avaliação de parceria, antes de colocar o formulário de inscrição, eu pedi parceria para alguns blogueiros que compraram o meu livro e mesmo assim fizeram questão de divulgar o meu trabalho, colocando resenhas, entrevistas e posts  no ar.


Gostaria muito que os blogs literários realmente apoiassem os nacionais, independente de receberem livros de graça ou não! Isso só se vê em uma minoria, infelizmente!



Mika, agradeço desde já pela entrevista e pela oportunidade.













Um comentário:

  1. A Glaucia é um amor de pessoa, já tive um breve contato com ela e ela foi super gentil. Ainda não li nenhuma obra sua, mas já ouvi falar muito sobre seu livro Para Sempre e no skoob eu vi a sinopse de Luz da minha vida e amei. Espero que em breve eu possa ler pelo menos uma de suas obras.

    ResponderExcluir

Laura Lendo...

Lud Lendo...

Luiza Lendo...