19 abril 2013

[Resenha] A Fada


Livro: A Fada
Autora: Carolina Munhóz
Editora: Fantasy Casa da Palavra


“Uma fusão do misticismo de Paulo Coelho com a magia de Harry Potter. – O Globo”

Jovens costumam ganhar presentes caros, viagens ou festas surpresas em aniversários de 18 anos. Melanie Aine ganhou o falecimento do pai, o abandono da mãe, uma estranha tatuagem e a descoberta de que não era humana.
Como se tudo isso não bastasse, Melanie descobriu que faz parte de um mundo onde seres mágicos existem e que sua vida comum na enevoada Londres estava com os dias contados.
Agora ela terá que remexer no passado de sua família para descobrir que tem uma missão que lhe foi designada, encontrando um legado com segredos inimagináveis.
A única parte recompensadora dessa história parece vir do encontro com um bonito homem misterioso, oriundo de uma família de bruxos poderosos. No entanto, a relação dos dois caminha em uma linha tênue entre afeto e fúria.
Um afeto que pode levá-la à transcendência e à vida eterna.
Uma fúria que pode conduzi-la à morte e ao esquecimento.
Dentre muitos feitiços, lutas, criaturas mágicas e eventos sobrenaturais, A fada é uma história de descobertas e superações, sobre como o amor pode fazer várias pessoas redescobrirem a vida e sua magia.


É um livro apaixonante, poderia dizer até um pouco mágico. Sua narrativa é bem leve e envolvente, esta história consegue ser lida em menos de um dia.

Antes de lê-lo, fiquei um tempinho só olhando. O livro é muito bonitinho, a diagramação e a arte ficaram muito fofas. E me surpreendi logo de início, antes de começar a história, só ao ler a mensagem da autora no final. É uma história de vida, uma mensagem muito emocionante.


E acho que isso foi o que tornou essa leitura mágica. Todos os personagens parecem fazer parte da vida dela, tudo parece ter saído de sua vida, amei esse tom que ela impôs à história, muito legal mesmo.

Mas, é claro que peguei esse livro para ler despida das minhas exigências (que não são poucas) e justamente não esperando grande coisa. Precisava apenas ler algo leve e que me envolvesse. Acertei em cheio. 

“Acendi um incenso e uma vela. A fumaça do caldeirão e do incenso me induzia a um transe profundo e a chama da vela e o fogo do caldeirão me aqueciam, deixando-me confortável. Ao fechar meus olhos um flash pareceu, como se fosse uma visão, e apenas uma imagem surgiu: olhos expressivos, masculinos, olhando em minha direção. Lindos olhos!”

Magia transborda desse livro, eu fiquei hipnotizada por muitos instantes. Não há como não se envolver com a escrita de Carolina Munhóz. Toda a inocência da adolescente que ela era quando o escreveu pode ser facilmente lida neste livro. Muitas referências a Harry Potter, uma das grandes inspirações da autora. Tiveram vários momentos que eu senti a mesma coisa quando leio HP, achei isso impressionante. Porém, muitas cenas foram quase iguais às que podemos encontrar nos livros da J. K. e isso me desagradou um pouco. 

“A fumaça branca que saiu de minha boca parecia muito mais brilhante. Talvez porque a cor era mais clara, mas algo conseguia ser ainda mais bonito. O senhor Glasvack voltou a ser nosso anfitrião, mergulhando o cetro no caldeirão, jogando-o outra vez para o ar. Quando ele chegou à altura que iria se transformar em vento, as luzes brilhantes dos lustres voltaram a acender, quase me cegando.Com a luz ofuscante...Minha alma se acendia.”

Deixando a magia de lado, vamos falar tecnicamente. E é aí que o bicho pega rsrsrs. Eu sei que ela escreveu esse livro quando tinha dezesseis anos e por isso vou pegar leve. Mas, não posso deixar de comentar que os personagens e tramas foram todos muito mal desenvolvidos, todos muito superficiais. A personagem principal é a única exceção, a meu ver. Tirando Melanie, conhecemos muito pouco sobre todos que também fazem parte da história. O próprio Arthur poderia ser melhor caracterizado, todo aquele mistério ficou assim, sem explicar nada. Além da referência do amor e fúria na sinopse, a fúria não passou de um capítulo. Poderia ter sido melhor desenvolvido.

O livro é realmente muito pequeno e, na minha opinião, a autora poderia ter caracterizado um pouco melhor o tema das criaturas sobrenaturais, principalmente as fadas, que é a raça da personagem principal. Muito pouco foi nos apresentado sobre Fairyland, a terra natal das fadas e todas as outras raças foram praticamente jogadas em um capitulo só, o da Festa de Halloween. 

Claro, não posso deixar de comentar sobre o romance repentino. Mal se conheceram e no dia seguinte já trocam juras de amor eterno (maneira de dizer rsrsr). Mas sabe, já li tanto isso que desencanei.

"O Tempo passava. Lento, muito lentamente. Sentia-me em uma montanha-russa. Conseguia ter amor, raiva, pena, orgulho e tristeza, tudo ao mesmo tempo. Tudo pela mesma pessoa." 

Críticas necessárias a parte, posso dizer a vocês que gostei muito do livro, pelas minhas próprias razões: neste momento eu estava procurando uma leitura leve e envolvente, e a encontrei em A Fada; o livro transborda magia, e é impossível não se emocionar com seus momentos fortes; lendo a história da autora, podemos reconhecer muito de sua vida no livro, nos nomes dos personagens, nos fatos, nas descrições, em tudo, e isso é muito mágico, pois quando um autor escreve um livro, vai um pedacinho dele em cada página, e é emocionante quando essa mensagem é entregue com sucesso.

Então people, leiam A Fada. Sem esperar um best seller nem a melhor das tramas, mas apenas uma história mágica que pode alegrar o seu dia!

“Aproveite até o último minuto a sua vida. Ame como nunca amou.”

     




Carolinha Munhóz é jornalista e romancista, além de integrante do Potterish, um dos maiores sites de Harry Potter do mundo. A autora foi eleita como a melhor escritora pelo Prêmio Jovem Brasileiro.
Aos 11 anos aguardou sua carta para estudar em Hogwarts, mas ela nunca chegou. A partir dos 18 se aventurou por diversos países como Inglaterra, França, Itália, Suíça e EUA, onde teve a oportunidade de conhecer os atores de Harry Potter.
Suas aventuras chamaram a atenção de meios de comunicação como EstadãoTV Cultura, rádio Record de Londres e Disney Channel. Foi capa do jornal Folha de S. Paulo, sendo destacada como referência na literatura fantástica, que está conquistando o mercado editorial, e foi eleita pela Revista Época como candidata a seguir os passos de autoras como Cassandra Clare e Alexandra Adornetto. Sua última aventura envolveu uma turnê com a autora Alyson Noël pelo Brasil.
Autora do livro O Inverno das Fadas, é escritora em tempo integral e viciada por redes sociais.

Leia a Resenha de Inverno das Fadas AQUI











Compartilhe!

5 comentários :

  1. Nossa, adorei a resenha e vou ler com certeza , ta na lista

    ResponderExcluir
  2. Amo a Carol, esse livro tem a capa perfeita! Não gosto muito de livros com tema "fada", mas esse com certeza vou ler.

    ResponderExcluir
  3. Ótima resenha e confesso que perdi um pouco a vontade de lê-lo em razão das críticas contundentes. Mas também acredito que existam livros apenas para passar o tempo e nos entreter, e pelo visto este é um deles. Então quem sabe um dia, quando eu estiver nesse mesmo momento que você, não o leia?! hehe Beijos, Mi

    www.recantodami.com

    ResponderExcluir
  4. é eu concordo, tudo depende do seu estado de animo para gostar ou não de um livro. Claro, não apenas isso, mas isso conta muito.

    ResponderExcluir
  5. Esse livro está na minha estante para ser lido, mas tem vários na frente dele.

    Vou ver se passo ele a frente depois dessa resenha.

    A Carolina Munhoz é uma fofa!

    Amei a resenha!

    :*

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei