[Resenha] As Vantagens de Ser Invisível


 As Vantagens de Ser Invisível
Stephen Chbosky
Rocco, 2007
223 páginas




Cartas mais íntimas que um diário, estranhamente únicas, hilárias e devastadoras - são apenas através delas que Charlie compartilha todo o seu mundinho com o leitor. Enveredando pelo universo dos primeiros encontros, dramas familiares, novos amigos, sexo, drogas e daquela música perfeita que nos faz sentir infinito, o roteirista Stephen Chbosky lança luz sobre o amadurecimento no ambiente da escola, um local por vezes opressor e sinônimo de ameaça. Uma leitura que deixa visível os problemas e crises próprios da juventude.




Eu não sei se consigo fazer resenha desse livro, por que nunca um livro mexeu tanto comigo como esse... Não é por que a história é triste ou o final é depressivo, não, eu achei ele um livro alegre, um pouco confuso no começo, mas nada perto de triste. Mas como o próprio Charlie disse "as vezes eu leio um livro e acho que sou a pessoa do livro" foi isso que aconteceu comigo, eu me identifiquei com ele, e não foi até o epilogo que eu percebi isso, foi ai que eu percebi como esse livro era uma lição (ou várias) de vida pra mim, sei que nem todo mundo vai se sentir como eu me senti ao terminar esse livro. Mas eu vi minha vida com os olhos do Charlie, e isso mexeu comigo. Tive receio de fazer essa resenha por que não gosto muito de meter a minha vida pessoal aqui e não sei se conseguirei fazer a resenha excluindo isso. Por isso vou fazer o que vi em algum blog que não lembro qual mas assim que achar atualizo aqui. Eu vou responder ao Charlie, porque não vejo outro jeito de me expressar sobre o livro. Para quem ainda não leu As Vantagens de Ser Invisivel são cartas que o Charlie escreve para um amigo, contando o seu dia a dia, a sua vida. O livro se passa em 1990, e tem muitas referencias musicais.


“Querido Charlie, espero que a escola esteja bem. E que você ainda veja todos os seus amigos. Espero também que você nunca esqueça as coisas boas durante a sua semana ruim. Você ja leu A Divina Comedia, do Dante Aliguieri? Eu não! Mas tem uma parte que eu decorei porque minha mãe tinha na parede do escritorio dela. Dizia: não há dor maior que recordar no mal a hora feliz. Mas sabe o que? Eu discordo. Nos dias ruins pode fazer bem lembrar da felicidade, as vezes parece dificil acreditar que a felicidade pode voltar, mas se ela veio uma vez pode vim novamente certo?
Andei pensando sobre sua irmã... O que a fez achar que merecia aquele tipo de amor? Talvez você devesse mostrar a ela mais vezes que ela merece o tipo de amor que nos faz sentir infinitos. Mas não esqueça que as vezes não importa o quanto nós amemos alguém, elas simplesmente não se veem como nós as vemos.
Eu vejo você como alguém capaz de enxergar o mundo, e de realmente ver as pessoas, nós sempre olhamos mas raramente vemos. Você me ensinou a ver melhor. Obrigada por isso.
Obrigada também por me mostrar que não importa o que recebemos, não precisamos dar a mesma coisa, algumas pessoas não sabem amar, o por que disso eu ainda não vejo bem o suficiente para descobrir.
O Pratick e a Sam parecem otimos amigos, parabéns por eles. É dificil achar amigos que trazem o nosso melhor a tona mas que também sabem lidar com o nosso pior. Mantenha eles sempre por perto, foi com eles que você se sentiu infinito!
Volte a me escrever quando tiver o tempo em todo o lance de participar, quero saber como anda a sua vida e sinto saudades. Você acha que eu deveria participar mais também? Acabei me apegando a saber da sua vida e da dos meus muitos personagens favoritos. Olha ai algo mais que você me ensinou... Vou parar de observar um pouco e vou participar mais! Mas isso não quer dizer que eu não apreciaria noticias suas! Com carinho, Laura."
Hoje esse foi meu livro favorito. Ele me mostrou exatamente o que eu precisava ver. Mas tenho a sensação de que vai continuar sendo o meu favorito por muito mais tempo!



Ainda não vi o filme, alguém viu e leu o livro para me dizer se vale a pena assistir?




"Eu me sinto infinito."
 "Então, esta é a minha vida. E quero que você saiba que sou feliz e triste ao mesmo tempo, e ainda estou tentando entender como posso ser assim."



14 comentários:

  1. Definitivamente eu preciso ler esse livro.

    ResponderExcluir
  2. OMG :O amei isso! *.* esse livro vai entrar pra minha lista.. só pelo que você escreveu aqui, Laura :) já ouvi que era um ótimo livro.. mas agora tu me fez ter aquela vontaaade enorme de ler!!! <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, leia mesmo!
      Esse livro vale a pena!

      Excluir

  3. Laura,

    Sua ideia para expor sobre o livro foi impressionante. rsrs
    Fui convencida a ler o livro.
    ótima resenha!

    ResponderExcluir
  4. nossa.
    eu tb me sinto convencida!

    esse livro tá mofando há tempos aqui
    mas sua resenha me motivou!

    mas agora já tá no lista do:
    *ler assim que tiver tempo*

    ResponderExcluir
  5. Eu não li o livro mas vi o filme, o qual eu não gostei.
    Mas os livros nunca se comparam aos filmes.
    Quão diferentes são?

    ResponderExcluir
  6. Estou doida para ler este livro, ainda mais por saber que ele é muito bom. Ainda não tiver oportunidade, mas ele está em minha lista.

    ResponderExcluir
  7. Primeiramente, adorei o que você escreveu. Capitou exatamente a essência daquilo que eu também enxerguei no livro.

    Eu assisti o filme, depois me senti confusa e achei que deveria dar uma chance ao livro, porque o filme era um tanto perturbador (pelo menos foi pra mim)

    O livro apenas aumentou minha perturbação de uma maneira boa... Por existir essa crueza que denota a fragilidade da vida e dos sentimentos humanos. Ser excessivamente sensível num mundo como esse é na mesma proporção doloroso.

    Mas você pode assistir tranquila que não creio que vai se decepcionar, é tão fiel quanto um filme pode ser quando baseado em um livro! A adaptação foi feita pelo próprio escritor do livro, daí denota-se a verossimilhança...

    Algumas coisas foram deixadas de fora (o que pode deixar aqueles que não leram o livro confusos), porém a essência não foi perdida!

    A atuação do Logan Lerman é uma boa surpresa e Emma Watson demonstra sua competência padrão, mas quem rouba a cena realmente é Ezra Miller como Patrick! Simplesmente A-D-O-R-Á-V-E-L! Virei fã do ator, principalmente depois de me dar conta que ele era o mesmo denso psicopata Kevin de Precisamos falar sobre o Kevin!

    Mais uma vez adorei sua resenha!

    Beijos :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai que bom que vc gostou do filme!
      Eu adoro o personagem Patrick, e Erza é maravilho, deve ter ficado otimo!
      Vou ver o mais rápido possível!

      Excluir
  8. Laura, eu AMEI sua resenha! Eu adorei esse livro também, me apeguei ao Charlie como se eu estivesse recebendo suas cartas e sua ideia de responde-las foi maravilhosa, mostra como voce se conectou com livro! Ameiiii parabéns!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Brigadaaa
      Esse final de semana assisto o filme sem falta!

      Excluir
  9. Laura, vale muito a pena assistir. Mas o livro é bem melhor que o filme, porém ambos são maravilhosos e te deixam "daquele jeito". rs

    ResponderExcluir
  10. amei sua resenha Laura, e ambos o livro quanto o filme são ótimos, ainda não tive a oportunidade de ler o livro mais espero um dia poder lê-lo. bjs

    ResponderExcluir
  11. Livro incrível! Com uma história envolvente! Parabéns pela resenha!

    ResponderExcluir

Laura Lendo...

Lud Lendo...

Luiza Lendo...