[Review] Forbidden

  • Faixa Etária - Recomendado para maiores de 16 anos
  • 464 páginas
  • Editora: Simon Pulse
  • Autora: Tabitha Suzuma

Ela é doce, sensível e extremamente sofrida: tem dezesseis anos, mas a maturidade de uma mulher marcada pelas provações e privações da pobreza, o pulso forte e a têmpera de quem cria os irmãos menores como filhos há anos, e só uma pessoa conhece a mágoa e a abnegação que se escondem por trás de seus tristes olhos azuis. Ele é brilhante, generoso e altamente responsável: tem dezessete anos, mas a fibra e o senso de dever de um pai de família, lutando contra tudo e contra todos para mantê-la unida, e só uma pessoa conhece a grandeza e a força de caráter que se escondem por trás daqueles intensos olhos verdes. Eles são irmão e irmã. Mas será que o mundo receberá de braços abertos aqueles que ousaram violar um de seus mais arraigados tabus? E você, receberia? Com extrema sutileza psicológica e sensibilidade poética, cenas de inesquecível beleza visual e diálogos de porte dramatúrgico, Suzuma tece uma tapeçaria visceralmente humana, fazendo pouco a pouco aflorar dos fios simples do quotidiano um assombroso mito eterno em toda a sua riqueza, mistério e profundidade.


Ela é bonita, carinhosa, responsável. Ele é lindo, inteligente e extremamente tímido. Eles se apaixonam. Mas eles são irmãos. 


Eu posterguei o momento de ler esse livro por muito, muito, muito tempo. Eu estava aterrorizada com os sentimentos que ia me trazer, ou com o sofrimento. Acho que não sou a única que se teletransporta para o lugar do/da personagem, e com isso, fica feliz com eles tanto quanto sofre. E como eu sofri!

Lochan e Maya são irmãos de sangue, mesma mãe, mesmo pai. São os dois mais velhos de cinco filhos: têm 18 e 17 anos respectivamente. A mãe se tornou alcoólatra logo após o abandono do marido, que desistiu dos filhos, e assim Maya e Lochan assumem as responsabilidades da casa e a educação dos mais novos. Eles são amigos desde pequenos, cúmplices na proteção dos irmãos quando se trata das falhas (que são muitas) da mãe, parceiros nas tarefas do dia-a-dia. Lochan tem fobia social, não se trata apenas de timidez. Ele não fala na escola, não socializa e não tem amigos, o que faz com que ele só se sinta a vontade em casa, no meio da família. Maya é a pessoa com quem ele mais tem contato e ele a admira. Assim como Maya reverencia o irmão, pela sua postura de homem da casa, pela sua inteligência acima da média, pela maneira como ele lida com as situações que são impostas a eles. O livro é muito, muito complexo. Parece natural que eles se apaixonem, que eles optem por ficarem juntos, mas ELES SÃO IRMÃOS. Quando eles se dão conta de que estão apaixonados, eles se machucam demais. Na cabeça da Maya, basta eles esperarem os irmãos crescerem para que eles possam se isolar do mundo e viver esse amor, a única coisa que importa realmente para ela é o crescimento saudável dos mais novos, mas para Lochan é errado e doentio, e ele quer que a Maya seja livre para ser feliz, mas ao mesmo tempo ele não consegue evitar querer estar ao lado dela, querer ser dela. Além de lidar com o fato de serem irmãos e estarem apaixonados, eles ainda precisam se preocupar loucamente com o bem estar dos irmãos, com a proteção deles perante ao conselho tutelar. É muita, muita coisa para a cabeça de dois adolescentes.

Apesar de ser claro desde as primeiras linhas do livro que eles são irmãos, eu não consegui em nenhum momento enxergar o relacionamento deles dessas maneira. O livro gira em torno de um tema absurdamente polêmico, mas eu não consegui sentir nojo nem raiva deles em nenhum momento, eu apenas sofria com eles. Em determinados momentos, eu me pegava pensando 'mas porquê eles não podem ficar juntos?' e aí eu lembrava, 'meu Deus, eles são IRMÃOS!' Os capítulos são alternados, contados do ponto de vista da Maya e do Lochan.

O livro é denso, é pesado, é surpreendente, é dolorido. É o tipo de livro que quando você começa, não quer parar, mas precisa porque não consegue lidar com o peso dos sentimentos. Não é exagero, a Tabitha Suzuma tem uma maneira de escrever que faz com que você se dispa de todos os preconceitos a respeito de um tabu, ainda mais um poderoso como o incesto. Para ler esse livro, tem que ser de coração aberto. Depois de Forbidden, eu fui comprando todos os livros da Tabitha e não me arrepende de nenhum deles. Os personagens secundários dela são tão fortes quanto os principais, são todos desenvolvidos, todos têm passado, presente e futuro. A história gira sim em torno do Lochan e da Maya, mas os fatos que levaram a isso são explorados, não ficam em segundo plano: um pai que abandona 5 filhos no sentido mais literal da palavra, simplesmente some; uma mãe alcoólatra  irresponsável, egoísta e imatura, que coloca os filhos em terceiro plano: aliás, em plano nenhum, uma vez que os trata como brinquedos com quem gosta de passar o tempo muito de vez em quando.

O final do livro é contraditório: é de destroçar o coração, ao mesmo tempo que o cura. É corajoso e covarde, é lindo e terrível, traz paz e atormenta. Mostra que quem sabe escrever, não tem medo de arriscar nem de pisar dolorosamente na utopia que nós, leitores, acreditamos: no final feliz como padrão para os livros. 


Maya:
"Antes de existir qualquer coisa, lá estava Lochan."
"Ele sempre foi muito mais que um irmão. Ele é minha alma gêmea, o ar que respiro, a razão pela qual acordo todas as manhãs. Eu sempre soube que o amava mais do que qualquer pessoa no mundo - e não apenas como irmão. Eu estou caindo, mas eu sei que estou bem, porque é com ele, é com Lochie."
"Como um amor assim pode ser chamado de terrível quando não estamos ferindo ninguém?"
Lochan:
"Tudo voltaria ao normal - mas do que estou falando? Tudo é normal! Eu apenas esqueci, por um momento insano, que Maya era minha irmã."
"É - é um sentimento tão grande que as vezes acho que vai me sufocar. É tão forte que eu sinto que poderia me matar. Continua crescendo e eu não posso - eu não sei se quero parar isso. Mas - mas nós não podemos fazer isso - amar um ao outro assim!"
"O corpo humano precisa de um fluxo constante de nutrição, ar e amor para sobreviver. Sem Maya, eu perco todos os três. Separados, nós vamos morrer lentamente. Ficando juntos, nós não prejudicamos ninguém; ficando separados, nós extinguimos nós mesmos."

25 comentários:

  1. OMG ...

    A resenha ficou Perfeita! eu realmente leria agora, pq só pela sinopse eu não chegaria nem perto do livro.

    Agora to me debatendo se leio ou não.. pq esse tema para mim, é muito complexo, não sei se consigo. é muita tristeza!

    Pq eu lembro da Nina, mandando email para mim, e falando q estava morrendo com o livro, huhuhu

    bem quem sabe... dependendo do meu humor!





    ResponderExcluir
  2. =OOOO
    Que resenha linda!
    Eu vou ler!
    É um livro diferente, nunca li nada do tipo!
    Adorei!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Laura, lê sim! Passa ele na frente da sua lista porque você não vai se arrepender... Mas logo atrás dele, coloca um "Anna e o Beijo Francês" ou uma chick lit bem levinha huhuhuh

      Excluir
  3. My precious <3

    Este foi o melhor livro que li na vida!!
    Tabitha Suzuma é a rainha de todas as rainhas, uma vez eu disse que esse livro era fantástico por muitos aspectos: pela trama, pelo tema, escrita fabulosa, poética e sensível e se não bastasse tudo isso... pela coragem do desfecho!! E que final, ela teve a coragem que muitas autoras renomadas e Best Sellers não tem!! Tabitha Suzuma samba na cara da sociedade com esta obra.
    Eu fiquei 1 semana depressiva por conta desse livro, chorei copiosamente como se tivesse acontecido comigo mesma.
    Resenha ótima Nina, como todas as pessoas que já leram, a sua resenha foi feita com um turbilhão de sentimentos e sem preconceitos!! Eu adoro isso

    ResponderExcluir
  4. Desculpa minha empolgação hauhauha

    É que toda vez que eu falo desse livro eu me emociono, porque quando eu peguei para ler, não tinha a menor noção da história e ele nunca havia sido mencionado nos círculo da galera que lê, foi logo após o lançamento dele...hauhauahaha
    E como a Nina disse, em nenhum momento eu me toquei que eles eram IRMÃOS, eu sempre os via como Maya e Lochan <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Emezita,que desculpa o que, eu amei sua empolgação... nunca falei com ninguém que também tenha lido, só vi as resenhas no Goodreads! E QUE FINAL, NÃO É? Só Jesus na minha vida naquele momento pra me impedir de sei lá... Chorar até desidratar! rs. Sonhei a beça com o livro, e você?

      Excluir
    2. Nina, eu ficava falando assim: PQP, porque?? Eu não quero isso!!!
      Depois eu dizia: PQP Tabitha tem "culh&#*@"!! Sambou!!!
      Depois eu voltava a chora e dizia: Eu não quero isso!!
      Foi um dia inteiro assim!!

      Excluir
    3. Gente, assim vcs me deixam com medo!

      Excluir
  5. Putz,

    eu tenho muito medo de ler esses livros, pq eu vou ficar depressiva, eu sei disso.. e como uma romântica, eu quero final felizes sempre, e a historia já começa com a hipótese de não ter um final feliz...

    Ai gente.. é a TREVA a indecisão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lud, eu também estava morrendo de medo, demorei muito para tomar coragem e também sou fã de carteirinha de finais felizes... Mas sabe aquele livro que você não pode passar a vida sem ler? É esse. Vai com tudo ahahaha

      Excluir
  6. Agora fiquei super curiosa, espero com ansiedade o lançamento desde livro.

    ResponderExcluir
  7. Como futuro psicólogo e apaixonado por Filosofia, Sociologia, e Psicologia (lógico), me sinto na obrigação de ler esse livro. haha
    Ótima resenha!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. huhuhu, Abri um consultório para as meninas, pq depois desse livro todas estarão chorando, e em pedaços ...

      uma ótima oportunidade!! huhuh

      Excluir
  8. OH MEU DEUS! Que resenha!
    Sou uma romântica assídua, to com a Lud a respeito do livro.
    Mas me sinto compelida a ler esse livro.
    Mas de maneira nenhuma consigo imaginar incesto, não tenho ideia do que pensar. Alias, eu tenho. Vem a imagem do meu irmão na minha cabeça, e penso: COMO ASSIM?
    Não sei se isso vem ao caso ou não, mas enfim.

    Ótima resenha!

    ResponderExcluir
  9. Oh GOSH eu amooo livros incestuosos são divinos, mas é complicado achar algo nesse tema por ai só li 2 até agora se é que Os instrumentos mortais pode ser chamado de incestuoso. ameiii a resenha estou indo agorinha atrás do livro. Se tiver mais alguma dica de livro neste tema eu gostaria muito de saber.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. nesse site tem alguns romances incestuosos. http://www.minhavidaporumlivro.com.br/2012/01/o-lado-sombrio-do-amor-polemica-dos.html

      o tema tb nao me assusta, é curioso. nao tenho nunhum preconceito e fico assustada quando as pessoas escrevem que é uma monstruosidade e tauls, deve ser pq eu tenho irmãos. sei la.

      Excluir
  10. Nina, adorei sua resenha, tambem li o livro amei
    o livro, virou meu livro preferido, estou terminando de traduzi-lo para a minha mãe e minha irmã lerem elas não lêem em inglês,
    Sofri tanto nunca um livro me abalou tanto, porem a historia é perfeita, não tem como mudar nada, e aquilo de escrever um capítulo de cada personagem, eu ninca ví nada igual só lendo mesmo.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  11. SERA QUE ALGUÉM PODE ME DIZER SE ELES FICAM JUNTOS NO FINAL? mandem a resposta pra o meu e-mail: biancaa_gn@yahoo.com.br peloamordedeus. pf so presisam escrever uma palavra: sim ou não.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk MOrri agora

      ainda bem que eu não li esse livros ainda!

      e nem sei se Vou!

      Excluir
  12. Olha o tema não me assuste. Ao contrário.
    O que me assusta é o final, porque eu sou dessas que precisa de um final feliz, por que a depressão pós livro é horrível.

    ResponderExcluir
  13. Ai meu Deus, sei que não é permitido falar isso aqui pra todo mundo ler, mas será que alguem pode me contar o final?? Eu quero muito ler esse livro, todas as resenhas que eu li falam muito mais do que bem sobre ele, mas não sei se eu vou conseguir suportar sofrer junto com os personagens pra sofrer mais ainda quando terminar de ler. Odeio saber os finais, mas esse eu agradeceria muito se alguem me contasse, pode mandar para o email!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Se você acha que não vai suportar sofrer, não leia, sério kk
      Mas casa tenha um pouquinho de coragem e queira arriscar, saiba que valerá a pena! Eu chorei, me desesperei, e ainda estou estilhaçada... Mas também estou atônita e admirada com esse livro, é lindo... e me fez pensar que se não fosse por rótulos e preconceitos da sociedade (sim, pq pra mim um amor que não prejudica ngm é totalmente válido, seja hetero, homo, incesto ou qqr coisa), enfim, se não fosse essa sociedade hipócrita, histórias como a da Maya e do Lochan seria realmente felizes.

      Excluir
  14. Infelizmente não tem como não sofrer. Bom, eu amei a sua resenha, tinha começado a ler e parei no nono capitulo pq ja tava desesperada e precisava saber se iria aguentar, então vi a sua resenha e decidi que necessitava terminar. Eu me apaixonei pelo livro, pela escrita, pela autora, essa mulher tem um dom, uma leitura arrebatadora. To com a sensação de uma mão apertando meu estomago uma angustia tão grande, mas feliz por ter me dado a oportunidade de lê-lo. Somplesmente lindo, triste e desesperador. Vale muuuuito a pena ler.

    ResponderExcluir
  15. Li este livro e adorei a história,tão sincera,emocionante,polêmica e ao mesmo tempo apaixonante.São coisas que não conseguimos explicar,como duas pessoas sendo do mesmo sangue brotar um sentimento tão lindo cm no caso deles,sendo carência ou não, não sabemos e não podemos julgar.Mas sabemos que isso realmente acontece e não é somente ficção é uma realidade.
    Mas sobre o livro,me marcou demais,fiquei muito pensativa a respeito do assunto.Eu recomendo muito este livro.

    ResponderExcluir

Laura Lendo...

Lud Lendo...

Luiza Lendo...