21 janeiro 2013

[Resenha] Belo Desastre



Jamie Mcguire - Belo Desastre (Beautiful Disaster)
Editora Verus, 2011
392 páginas


A nova Abby Abernathy é uma boa garota. Ela não bebe nem fala palavrão, e tem a quantidade apropriada de cardigãs no guarda-roupa. Abby acredita que seu passado sombrio está bem distante, mas, quando se muda para uma nova cidade com America, sua melhor amiga, para cursar a faculdade, seu recomeço é rapidamente ameaçado pelo bad boy da universidade. Travis Maddox, com seu abdômen definido e seus braços tatuados, é exatamente o que Abby precisa – e deseja – evitar. Ele passa as noites ganhando dinheiro em um clube da luta e os dias seduzindo as garotas da faculdade. Intrigado com a resistência de Abby ao seu charme, Travis a atrai com uma aposta. Se ele perder, terá que ficar sem sexo por um mês. Se ela perder, deverá morar no apartamento de Travis pelo mesmo período. Qualquer que seja o resultado da aposta, Travis nem imagina que finalmente encontrou uma adversária à altura.


A resenha de hoje vai ser dupla! Como é um livro muito AME ou ODEIE, resolvemos colocar aqui as duas opiniões! Eu (Lala) sou fã assumida de BD e fiz uma resenha completamente positiva dele. Já a Nina não gostou nada, e fez uma resenha negativa. Deem a sua opinião, com quem vocês concordam??

Resenha Positiva


Esse livro se tornou um vicio, li em um dia, li até enquanto  dirigia, cada vez que o carro parava eu lia um paragrafo, eu simplesmente não conseguia ficar longe dele! E na hora que terminei de ler já recomecei por que achei que não tinha lido com toda a atenção merecida, já que li com pressa! Já perdi as contas de quantas vezes o li...


O livro é narrado em primeira pessoa, pelo ponto de vista da Abby. Essa menina de fato não faz sentido nenhum até que você descobre toda a história dela (e mesmo assim não faz tanto sentido assim). Ela gosta do Travis, adora passar o tempo com ele, mas tem algum medo de se envolver com ele, que a gente só descobre lá pelo meio do livro.



Travis é O bad boy, lutador de luta livre clandestina, cheio de tatuagem, gostosão que toda mulher quer, toda mulher corre atrás dele, toda mulher menos Abby Abernathy, ou como Travis gosta de chama-la: beija-flor. Ele é tudo o que a Abby quer fugir.

Ele fica louco por ela, ela despreza ele e cada vez ele fica mais louco. História normal certo?? Nããão... tem alguma coisa diferente nesse livro, ele prende você. É uma historia cativante, com declarações lindas, com cenas sexys, com suspense. Esse livro tem tudo, tem comedia, tem brigas, tem suspense, tem momentos cute cute, tem sexo, tem tudo!


Confesso que varias vezes quis pular e bater em Abby e pegar o Trav pra mim.

Os dois tem uma certa bagagem que termina afetando o desenvolvimento do relacionamento deles, logo quando eles se conhecem Travis já se encanta com a Abby, e ela avisa logo que não vai transar com ele, mas isso não quer dizer que eles não possam ser amigos, e assim a história começa a crescer, a amizade deles é a coisa mais fofa! O jeito que eles cuidam um do outro, o jeito que se importam, é apaixonante. Sim, o Travis é extremamente ciumento, possessivo, carente e claro machista! Mas eu ignoro isso porque tudo isso só deixa ele mais perfeito.

“E ai você ergueu o olhar pra mim, foi naquele momento. Você tinha um ar inocente, ingênuo... sem mascaras. Você não olhou para mim como se eu fosse Travis Maddox (...) você  olhou para mim como se eu fosse... sei lá, uma pessoa, eu acho.(...)você não ficou toda sem jeito, não me paquerou, não ficou mexendo no cabelo. Você me viu.”


O relacionamento deles passa por varias fases, varias idas e vindas. Mas todas as fases são consistentes, nenhuma fora do padrão da história.

“Um brinde! (...) aos babacas! – ele exclamou, fazendo um gesto em direção a Brad. – E às garotas que partem o coração da gente – ele curvou a cabeça para mim. Seus olhos tinham perdido o foco. – E ao horror de perder sua melhor amiga porque você foi idiota o bastante para se apaixonar por ela.”


Os outros personagens secundários também são incríveis, America (a melhor amiga da Abby) parece uma mãe super protetora, as vezes irrita essa proteção toda, o Shep (primo do Trav e namorado da America), até Parker Hayes (“Parker Hayes, flor? Mesmo? Parker Hayes), Brazil, Kara, a família do Travis, todos são ótimos personagens, super bem desenvolvidos.



Travis (claro!) se tornou um dos meus personagens favoritos de todos os tempos (é difícil disputar contra Harry Potter ou John Matthew, Qhuinn e Blaylock de IAN). Deve ser aquele desejo que toda mulher já teve de mudar/cuidar de badboy! A Abby conseguiu isso.



Eu sou do tipo que quando fico nervosa ou puta com o mundo pego o livro favorito pra ler, sempre peguei HP ou IAN, mas agora quando a TPM chega só consigo pensar em Belo Desastre!!

Só de escrever essa resenha já me da vontade de ler de novo, o que com certeza vou fazer ainda hoje. Sim, eu sei que estou ficando louca quando se trata desse livro!



Suuuper indico Belo Desastre, me apaixonei desde a primeira frase e cometi um erro terrível ao começar a ler de noite, pois não consegui dormir até terminar ele, então please, escutem meu conselho e comecem a ler de manha e no fim de semana!

Jamie Mcguire, virei sua fã e vou ler até rotulo de shampoo desde que tenha sido escrito por você!















Resenha Negativa


Por favor, não me apedrejem. Segue minha humilde opinião sobre Belo Desastre. 

Não posso deixar de concordar com a Laura quando falamos de que a partir do momento que pegamos o livro, não conseguimos mais abandoná-lo. Mas eu não conseguia deixar de lado por pura perplexidade! Eu continuava a ler pensando... 

O QUÊ? NÃO ACREDITO! PRECISO LER MAIS PARA SABER SE É ISSO MESMO QUE MEUS OLHOS ESTÃO VENDO! Sim, em caixa alta! 

Vamos começar pelos personagens: Abby é uma menina que luta para deixar seu passado para trás, mas apesar da fachada de forte, é frágil e extremamente insegura. Travis é o bad boy mais clichê que eu já vi: lutador, mulherengo e metido a gostosão, só que mais que isso, é um grande de um machista-possessivo-obssessivo! 

Eu simplesmente detestei a maneira como a Abby se relaciona com o Travis! Como assim, eles mal se conhecem e o cara já apelida a garota de BEIJA-FLOR? Quero dizer... baby, amor, querida, linda, sei lá, qualquer coisa! Mas Beija-Flor? Não me convence. Assim como a aposta deles. Assim como a primeira noite dela na casa, onde eles já dormem juntos (sem sexo). Assim como o fato da Abby passar metade do livro fingindo que não sabe o que o Travis quer com ela. Assim como a Abby aguentando as humilhações seguidas por estar com e sem ele. Porque é claro que existem os vai e vens de um relacionamento, mas neste em questão, eu defino como doença. Porque só isso explica as crises de bipolaridade desse casal, os ataques de ciúmes infundados, a submissão ridícula da Abby às vontades do Travis, o egoísmo dele em só enxergar as próprias vontades. Por muito pouco a Abby não apanhou do Travis. O que torna tudo tão negativo no enredo para mim é que a mensagem que me foi passada é "tudo bem para vocês mulheres, se exporem ao ridículo, à humilhações e a aceitar agressões verbais se você gosta do cara". E isso não é certo! Já acontece bastante sem que haja incentivo daquilo que eu considero nossa maior fonte de conforto, que são os livros, imagina uma pessoa que passa por essa situação, lê e pensa: bom, viu? O que prevalece é isso aí que chamamos de amor. Não gostei, não curto, não recomendo. É realmente um belo de um desatre para mim.




Compartilhe!

21 comentários :

  1. Concordo com a Nina!

    Sorry, Laura, adorei sua resenha, e em certas partes o livro consegue nos apaixonar, mas no final das contas a Nina é que ta certa.

    Como leitora fanática, eu gosto de pensar que todos os livros que eu leio conseguem sempre acrescentar algo na minha vida, na minha visão de mim mesma e do mundo...

    E Belo Desastre não foi diferente. Pra mim, ele demonstrou como o conceito de amor esta se tornando distorcido...

    Tipo, o cara se joga aos pés dela, implora pra ela aceitá-lo de volta, quando ela não aceita, ele vai quebrando tudo (provavelmente para que não quebrasse ela) e isso supostamente deveria ser um sinal de amor?
    Não, eu me recuso acreditar que isso seja amor. Parece pra mim mais como birra de criança mimada, que quando não ganha o brinquedinho que quer faz um escândalo.

    E além do mais, algumas coisas do livro são simplesmente implausíveis. Tipo, o Travis não estuda nada e é inteligente... Não treina nada e bate em todo mundo... Começa a cantar uma música no meio do refeitório e o resto do povo começa a cantar junto? Sério??? Eu tive um pequeno momento de não-acredito-que-realmente-estou-lendo-isso!
    Peço desculpas antecipadas as Travisquetes, mas algumas coisas simplesmente beiraram o absurdo...

    Talvez o problema seja comigo, por levar tudo que eu leio tão a sério... :)

    ResponderExcluir
  2. Ai gente, eu amo BD mas também não sou cega, e reconheço muitos defeitos dele.
    Travis é doentio sim, muito possessivo.
    E uma coisa que esqueci de acrescentar na resenha mas que me irritou um pouquinho, é que a Abby nunca usa capacete quando anda de moto. hahahaha. Uma besteira, eu sei, mas toda vez eu me perguntava isso!
    Eu sei os defeitos do livro, mas não sei explicar pq eu gosto tanto dele!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É engraçado isso, né, Laura... Mas capacete só é obrigatório em alguns estados nos EUA, então, em teoria eles não estavam cometendo nenhuma infração, mas... como eu ando de moto e sei os riscos, parece simplesmente estúpido andar de moto sem capacete... :)

      Excluir
    2. Sim, principalmente sendo maníaco pela segurança da Abby, como o Travis é!

      Excluir
  3. Eu não tinha ouvido falar desse livro até minha amiga me contar sobre ele. Tenho ele para ler e o farei, mas pelo o que já ouvi a respeito ele parece ser maravilhoso e todo mundo que eu conheço o amou. Não tenho uma opinião formada, pois ainda não li, mas em breve estarei fazendo isto.

    ResponderExcluir
  4. Tem algumas partes fofas, que até "vão" mas esse livro é irritante, irritante e irritante de novo! A Abby consegue ser a pessoa mais tapada que eu já me familiarizei com. Pelo passado dela você realmente espera que ela seja um pouco mais madura, mas não: ela é uma criança chata, birrenta e impulsiva; as vezes dá vontade de pegar a cara dela e arrastar NO ASFALTO.
    Algumas coisas não fazem nenhum sentido como a Jess mencionou ali em cima (no caso do Travis) mas por mais que seja do jeito que é, é meio impossível não gostar dele.
    No final, acho que a autora quis "colocar" tudo no Travis: ele é meio que a mistura de um bad boy encrenqueiro, com sérios problemas psicológicos mas extremamente inteligente... o que acaba não fazendo sentido algum mas funcionando de algum jeito.
    Enfim, o livro é meio imaturo e tão esquisito que mesmo alguns meses depois de ter lido e relido eu não tenho certeza se gosto ou não

    ResponderExcluir
  5. Acabei de ler ontem, e tenho que concordar com as duas opiniões: negativa e positiva. Mas eu amei, não tem como não amar um livro que você não consegue parar de ler. Mesmo quem não gostou não consegue parar de ler, então créditos e palmas para a Jamie. Nao gosto de luta nem lutadores clandestinos, e por isso pensei que não ia gostar. O que?! Comecei a ler umas 6 da noite e não consegui parar. Concordo que deveria ter menos violência, que Travis não precisava sair batendo em todo mundo. A Jamie amadureceu o Travis, mas não o suficiente para ele deixar de ser briguento. Mas ele é apaixonante! Não quis simplesmente transar com a Abby porque ela era especial, mesmo quando ela consentiu, ele disse não porque ela tinha bebido e isso eu amei, provou que a quer feliz. Não acredito que exista nenhuma amiga no mundo real igual a America. Como assim uma amiga sua se muda pra bem longe pra que você fuja do seu passado? Como assim Travis não perde uma luta?! A parte do não estudar e sempre tirar A eu adorei, isso realmente existe, não é comum, mas existe. E foi o que me fez amar Travis, o bad boy que não é só bad. Jamie, sou sua nova fã! E quanto as autoras do blog, adorei!, acabei de conhecer através do skoob!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. verdade,ele é super inteligente,e quando se conhece ele de verdade nós não enxergamos apenas músculos e beleza,e sim cavalheirismo,romantismo e amor,meio psicótico e muito protetor, mais como vc disse,não tem como não ama-lo *-*

      Excluir
  6. Adorei a resenha.
    Eu tenho esse livro, mas ainda não tive o prazer de lê-lo.
    Leio tanta coisas boas sobre ele, que vou começar correndo minha leitura.

    Bjs

    ResponderExcluir
  7. Ai gente, eu acho que vou ler esse livro só pra saber a minha opinião huhuhuh

    Porque a resenha da Lala ficou tão boa, mas a da Nina plantou a sementinha da dúvida hahahaha

    Lindas resenhas meninas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahahaha...
      Vcs não vão gostar amigas!
      Certeza absoluta disso... Não tem nada a ver com vcs duas!

      Excluir
  8. tenho que concordar com a Nina!! quando li o livro, havia tido contato com muitas resenhas positivas, dizendo que o livro era o máximo e tal... quando li, achei que era a única que não tinha gostado... achei o livro envolvente, sim, li rapidinho para descobrir o desfecho, mas ao mesmo tempo foi para mim uma leitura rasa e inócua, da qual não se leva nada de positivo.

    ResponderExcluir
  9. Concordo com a Nina, a "bipolaridade do relacionamento" e a sensaçã de que o Travis em algum momento bateria nela me seguiram boa parte do livro. Achei bem escrito, me envolvi com a história, mas não gostei do jeito do Travis e o fato dela aceitá-lo com todos os riscos que ele representava. :/

    ResponderExcluir
  10. a unica coisa que não gostei no livro são os detalhes,a autora não detalha muito os personagens e nem os lugarem em que a Abby está,eu gosto de detalhes por que quando li crepúsculo eu me apaixonei pelo detalhes que a Bella descreve..fiquei meio inquieta com isso lendo o Belo desastre.

    ResponderExcluir
  11. ah e só pra constar,esse livro me deixou muito frustrada :/

    ResponderExcluir
  12. Li esse livro em dois dias. Acho que nunca fiquei tão viciada com um personagem como fiquei pelo Travis. Eu queria poder entrar dentro do livro, matar a Abby e dar o amor que aquele homem merece... Não li a crítica negativa pra não começar a enxergar as coisas ruins, prefiro ficar na "caverna" e continuar só vendo coisas lindas e perfeitos do livro haha.. Mas, pelo o q eu li nos comentários, umas dos pontos negativos é o amor doentio e obsessivo do Travis pela Abby. Confesso que senti isso também, a própria Abby sentiu, não me lembro em que parte do livro, mas em um momento ela diz que aquilo era loucura e doentio. A verdade, é que eu não me importei com isso. E olha que odeio caras melosos e românticos. O fato é que o livro tem tantas coisas positivas, q a obsessividade do Travis só deixa ele mais... Travis hahaha. Enfim, gostei muuuito do livro, e o fato de eu sentir mais o amor do Travis pela Abby do que o amor da Abby por ele contribuiu ainda mais pro meu vício.

    ResponderExcluir
  13. Para fala a verdade Belo Desastre não me encantou, não fiquei apaixonada pelo Travis Maddox, na verdade peguei nojinho dele. Como ele trata as mulheres, aquele sofá nojento e realmente chamar alguém de beija-flor é totalmente broxante. Fiquei super na expectativa pois todo mundo falava bem desse livro e que Travis era o cara que toda mulher se apaixonaria. Abby também não me cativou, achei ela irritante pra caramba e que gostava de se fazer de sonsa. Eu não me apaixonei por ele e nem pelo livro, prefiro mil vezes Entre Agora e o Nunca, para mim o tipo de cara perfeito e que apaixonei chama-se Andrew Parrish :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alias o livro Entre Agora e o Sempre, claro sua continuação também,

      Excluir
  14. O que dizer sobre esse livro além de que ele é perfeito?! Já li vários livros com histórias de bad boy, mas nenhum deles conseguiu mexer comigo como esse. E não existe um bad boy como Travis. Ele é único.

    ResponderExcluir
  15. Laura, eu vou APAIXONADA pelo Travis, pela Abby, pela America e Shepley...

    Só lendo Walking Disaster para entender o Travis!

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei