Notícias

Filmes

Resenhas



22 outubro 2019

[Resenha] Na Cama com a Fera - The Naughty Princess Club #02 - Tara Sivec

Um conto tão antigo como o tempo: ela precisa de um local para ficar, ele é um cara rabugento com um segredo e um quarto extra... Será que o amor consegue se instalar?
Morando no porão do seu pai superprotetor, a acanhada Belle vive sua vida através dos livros. Ser parte do 'The Naughty Princess Club' é a primeira aventura que teve, além disso, ela precisa desesperadamente de dinheiro para salvar um dos seus lugares preferidos: a biblioteca local.
Mas quando suas novas amigas e parceiras de negócios acabam fazendo com que ela seja expulsa da casa do pai, Belle é resgatada pelo ríspido Vincent "Fera" Adams que a convida para ficar em sua casa até que ela consiga colocar a vida nos trilhos. Apesar da atitude dele e da longa lista de regras, o coração de Belle começa a acelerar para aquele homem musculoso com tendências a rosnados, e passa a ver um lado gentil dele que não estava lá antes.
Mas tem um quarto que a Fera mantém trancado e a intuição de Belle diz que ele está escondendo algo... Será que uma bibliotecária nerd consegue domar a fera ou o romance deles terminará antes mesmo de ter a chance de florescer?

Livro:  Na Cama com a Fera  || Autor: Tara Sivec|| Série: The Naughty Princess Club #02
Editora: The Gift Box || Ano: 2019 ||  Gênero: Romance Contemporâneo 
 Classificação:   4 estrelas ||  Resenhista: Daiana
“— Bem, obviamente eu adoro livros. Quando eu estava na escola e queria arranjar um emprego, para ter dinheiro suficiente para comprar mais livros, este foi o único lugar que meu pai aprovou”

Depois de uma overdose de fantasia, eu estava procurando por algo leve e descontraído para ler, e queria que fosse especificamente uma comédia romântica. Devo dizer que o livro da Tara cumpriu com muito bem esse papel. Como não se apaixonar por uma protagonista que ama os livros exatamente como você?

“— É aqui que eu morro. Em um chalé saído direto de João e Maria — murmuro, baixinho.”

Na Cama com a Fera é o segundo volume da trilogia The Naughty Princess Club. Apesar de estar dentro de uma série, o livro não é uma continuação direta, pois cada livro nos traz protagonistas diferentes, e a conexão entre eles é amizade entre as personagens. Então, você pode ler esse livro sem ler o livro anterior, e esse foi exatamente o meu caso. 

Isabelle, nossa nova protagonista, mora no porão da casa do seu pai e gerencia a biblioteca da cidade que não anda lá muito bem das pernas. Essa então é sua maior preocupação no momento: arrecadar fundos para impedir o fechamento do seu lugar favorito no mundo. 

Em uma noite, após uma de suas entradas sorrateiras pela janela do quarto que não deu muito certo, Isabelle é expulsa de casa. Depois de alguns dias dormindo desconfortavelmenre na biblioteca, ela passa a receber todas as noites uma visita no mínimo curiosa: Fera, o segurança da The Naughty Princess Club.

Depois de alguns monólogos, umas tiradas aleatórias, e algumas fatias de pizza, Fera a convida para ficar na casa dele, pois se recusar a deixar que ela durma mais uma noite na biblioteca. 

“Cada noite, eu falo sobre um clássico diferente que eu li e adorei, e cada noite ele confirma que leu, com alguns acenos e grunhidos.”

Isabele irá aproveitar essa convivência para adquirir mais experiência com o sexo oposto. Tudo isso por conta da sua total falta vida social fora dos livros, e principalmente, porque ela planeja finalmente estrear no Charming’s e começar então a fazer suas própias festas como stripper com o objetivo de ganhar mais dinheiro para salvar a sua biblioteca.

E claro, esse plano renderá muitos frios na barriga e borboletas no estômago, além de cenas quentes de tirar o folego da Belle, e o nosso!

“— Qual é o seu sobrenome?
— Adams — ele responde, rapidamente.
— Quantos anos você tem?
— Trinta e um.
— Você tem pais?
— Não, fui criado por uma matilha de lobos.”


Isabelle é uma protagonista super fofa e inteligente, e é impossível não se identificar com ela, ou com o seu desejo de viver um conto de fadas fora dos livros. Quem nunca? Ela realmente acredita em finais felizes e vem sonhando a sua vida inteira com um príncipe encantado. 
“Ele é muito melhor do que qualquer herói dos livros que li, e a melhor parte é que ele é meu e é real.”
Vincent - o fera - é um daqueles caras gigantes, todo cheio de músculo e meio grosso, mas que esconde uma armadura brilhante.

Ele passa o livro todo lembrando Isabele de que ele não é o seu herói, e que nada ali é um conto de fadas. Mas, será mesmo? Suas ações, vocês poderão ver, provam o contrário. 

Foi uma leitura muito divertida. Eu acho que nunca rir tanto em um livro!

Se houve algo do qual eu não gostei? Sim! Me incomodou o fato das garotas serem estrippers e fazerem a famosa ‘dança no colo’ em outros homens e seus respectivos parceiros não terem nenhum problema com isso. Achei meio fora da realidade; pode até ser que seja apenas o meu lado romanticamente correto falando, mas que homem aceita isso tão naturalmente assim? E nesse contexto, uma cena em particular, me tirou realmente do sério, por conta disso tirei uma estrela na avaliação. 
Tirando essa parte, adorei toda a ambientização da história, os diálogos hilários e as informações aleatórias que o lado mais nerd da Isabelle nos dá durante a leitura - e nos momentos mais inusitados. Tudo é na medida certa, e os personagens foram tão bem desenvolvidos que eu só passei a desejar que a Isabelle, a Ariel e a Cindy fossem minhas vizinhas! 

Esse livro é para aqueles que acreditam em grandes gestos românticos, aqueles que encontraram ou ainda esperam encontrar o garoto ou a garota do seu ‘felizes para sempre’.

“Acho que os contos de fadas realmente se tornaram realidade para uma nerd louca por livros e stripper.”

21 outubro 2019

[Resenha] Os sete maridos de Evelyn Hugo - Taylor Jenkins Reid


Com todo o esplendor que só a Hollywood do século passado pode oferecer, esta é uma narrativa inesquecível sobre os sacrifícios que fazemos por amor, o perigo dos segredos e o preço da fama.
Lendária estrela de Hollywood, Evelyn Hugo sempre esteve sob os holofotes ― seja estrelando uma produção vencedora do Oscar, protagonizando algum escândalo ou aparecendo com um novo marido… pela sétima vez.
Agora, prestes a completar oitenta anos e reclusa em seu apartamento no Upper East Side, a famigerada atriz decide contar a própria história ― ou sua “verdadeira história” ―, mas com uma condição: que Monique Grant, jornalista iniciante e até então desconhecida, seja a entrevistadora.
Ao embarcar nessa misteriosa empreitada, a jovem repórter começa a se dar conta de que nada é por acaso ― e que suas trajetórias podem estar profunda e irreversivelmente conectadas.

Livro: O sete maridos de Evelyn Hugo || Autor: Taylor Jenkins Reid
Editora: Paralela||Ano: 2019 || Tradução:  Alexandre Boide
Gênero: Romance Contemporâneo
 Classificação:  5 estrelas || Resenhista: Karina

Aviso de Gatilho: Violência doméstica, abuso psicológico, homofobia, suicídio, abordo e alcoolismo.

Depois de toda minha empolgação do primeiro semestre com Daisy Jones and the Six voltei para bater o martelo e dizer que Taylor Jenkins Reid merece TODO e qualquer BISCOITO que decidirmos dar a ela. Eu não sei explicar exatamente qual é a mágica de narração que essa mulher coloca nas páginas, mas se você abrir um livro dela, está fadado a não largar até terminar, e sim, em algum momento da narração, ela vai te surpreender!

Em "Os sete maridos de Evelyn Hugo" vamos acompanhar a biografia de uma estrela do cinema da década de 50/60 que no presente, está prestes a completar 80 anos e contrata uma jornalista (Monique Grant) para escrever a única biografia autorizada sobre a verdadeira história de Evelyn Hugo.

Se você conhece a escrita da Taylor você sabe que os personagens que contam suas histórias não são meros personagens, eles tem uma importância na trama e se você não conhece a escrita da Taylor você certamente vai perceber o suspense em volta de quem narra a história.

Monique sabe que só o fato de ser escolhida entre tantos jornalistas já seria uma honra quando se trata de Evelyn Hugo (ainda mais porque Evelyn é uma estrela do cinema reclusa), mas todos os detalhes do contrato e o quanto e como ela receberá o dinheiro, caso aceite ser a autora da biografia autorizada já é motivo mais que suficiente para lhe fazer seguir essa história para saber em que momento o caminho dessas duas se cruza.

"Dá pra ser feliz vivendo sua verdade, seja ela qual for."

A linha do tempo pela qual vamos conhecer a história da Evelyn passa por todos os seus sete maridos e pelo grande amor da sua vida, por volta do segundo ou terceiro marido, Evelyn já sabe exatamente quem é o amor da sua vida, mas a indústria do cinema, a cobrança da sociedade e inúmeros outros fatores são empecilhos para que ela possa viver um conto de fadas.

Assim como foi no livro da (minha crush) Daisy Jones, nada na narração da história da Evelyn é colocada para encher linguiça no enredo, todos os passos e decisões tomadas pelos personagens centrais ou não, são tão verossímeis que você facilmente vai se pegar querendo gritar com o livro ( no meu caso com o kindle) ou querendo abraçá-lo.

Aqui com certeza você encontrará uma mulher engraçada, sarcástica, complexa, nenhum dos personagens podem ser classificado com bom ou ruim e no meio de tudo isso, pautas muito importantes são levantadas de maneira que não são clichês e mesmo que você não seja exatamente o público alvo da bandeira levantada, é impossível você não se comover com as falhas humanas e querer lutar junto com ela para que as pessoas possam viver seu amor livremente.

"As pessoas acham que intimidade tem a ver com sexo.Mas intimidade tem a ver mesmo é com a verdade."
Em muitos momentos, a narração poderia ter pesado por conta dos assuntos que são pano de fundo da trama, mas o contra ponto está na medida perfeita, você suspira com cada gesto de amor, torce em TODAS as premiações de Oscar, ri de situações fofas.



"[...] lembre a todos que Evelyn Hugo nunca existiu. Foi uma pessoa que inventei para o público. Para ser amada. Explique que durante um bom tempo eu não entendia o que era o amor. Mas esclareça que agora sei, e que não preciso mais do amor das outras pessoas."

A escolha editorial da Paralela em trazer "Os sete maridos de Evelyn Hugo " depois de trazer "Daisy Jones and the six" pode nem ter sido de caso pensado, mas acho que a ordem publicada para o grande público ( porque "Os sete maridos de Evelyn Hugo" foi antes publicado para assinantes da TAG) acerta em cheio porque tivemos primeiro astros do cenário musical e agora do cinema e apesar de serem histórias completamente diferentes, não tem como não se tornar um ser humano melhor depois de qualquer uma das leituras.

"Não ignore metade do que eu sou só para colocar um rotulo em mim, Monique. Não faça isso."

Aqui cabe até um parenteses, a nossa capa não é a melhor nem de longe.... estaríamos muito melhor representados se tivéssemos uma bela atriz com o dente trincado na capa. Essa minha frase só fará sentido caso você tenha lido o livro, assim que ler volte aqui e me diga o quanto você concorda comigo; a verdade é que esse lettering de título escrito em rosa não representa em nada o quanto a história é maravilhosa, nem a modelo de fundo faz lembrar nem de longe a personagem, mas acreditem em mim, passem por cima dessa capa horrorosa e se deixem encantar com uma história 5 estrela sem dúvida nenhuma.

Se você quer um livro que tenha representatividade, esse é uma ótima escolha, se você quiser auto descoberta aqui também tem, têm crescimento pessoal, têm exemplo de como escolher as próprias batalhas, de como se perder e encontrar o caminho de volta para o grande amor e para si mesmo; nessa história que é ficcional, de novo queríamos que fosse verdade porque você encontra um pouco de tudo. Claramente assim como a Taylor já tinha garantido o lugar nos meus preferidos do primeiro semestre, ela repete o feito e entra nas melhores leituras do segundo semestre também !!!




Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei